Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Exclusivo: EUA vão enviar armas e munições apreendidas no Irã à Ucrânia

    Governo de Joe Biden tem ponderado há meses como enviar legalmente os armamentos aos ucranianos

    Natasha Bertrandda CNN

    Os Estados Unidos irão enviar milhares de armas e munições iranianas apreendidas para a Ucrânia, numa medida que poderá ajudar a aliviar algumas das carências que os militares ucranianos enfrentam enquanto aguardam mais dinheiro e equipamento dos EUA e aliados, informaram autoridades norte-americanas.

    O Comando Central dos EUA (Centcom) já transferiu mais de um milhão de cartuchos de munição iraniana apreendidos para as forças armadas ucranianas. A transferência foi realizada na segunda-feira (2), disse o Centcom.

    Veja também – Ocidente pode ficar sem armamento para enviar à Ucrânia

    “O governo obteve a propriedade destas munições em 20 de julho de 2023, através das ações de confisco civil do Departamento de Justiça contra o Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC) do Irã.”

    O Departamento de Justiça anunciou em março que estava buscando o confisco de um milhão de cartuchos de munição iraniana, milhares de fusíveis de proximidade para granadas-foguete e milhares de quilos de propelente para granadas-propelidas que a Marinha apreendeu do Irã no Iêmen.

    “Essas munições foram originalmente apreendidas pelas forças navais do Comando Central dos EUA. As munições estavam sendo transferidas do IRGC para os Houthis no Iêmen, em violação da Resolução 2216 do Conselho de Segurança das Nações Unidas.”

    O governo de Joe Biden tem ponderado há meses como enviar legalmente aos ucranianos as armas apreendidas, que estão armazenadas nas instalações do Centcom em todo o Oriente Médio.

    Durante o ano passado, a Marinha dos EUA apreendeu milhares de espingardas de assalto iranianas e mais de um milhão de munições de navios utilizados pelo Irã para enviar armas para o Iêmen.

    As apreensões, frequentemente realizadas com forças parceiras regionais, têm como alvo pequenos navios apátridas em rotas historicamente utilizadas para contrabandear armas para os Houthis no Iêmen.

    Em meados de janeiro, os EUA ajudaram as forças francesas na apreensão de 3.000 espingardas de assalto enviadas do Irã para o Iêmen, bem como de 23 mísseis guiados antitanque. Após a apreensão, os EUA assumiram a custódia das armas confiscadas.

    Essa interdição ilegal de armas culminou num período de dois meses em que os EUA e os seus parceiros apreenderam um total de 5.000 armas e 1,6 milhão de munições, segundo o Comando Central.

    O Departamento de Justiça e responsáveis ​​da defesa têm trabalhado em conjunto para encontrar uma via legal para enviar as armas para a Ucrânia, disseram as autoridades, e uma das formas é através das autoridades de confisco civil dos EUA.

    O Departamento de Justiça apresentou pelo menos duas queixas de confisco de munições e armas iranianas apreendidas este ano.

    Além do anúncio em março, o Departamento de Justiça anunciou em julho que estava buscando o confisco de “mais de 9.000 rifles, 284 metralhadoras, aproximadamente 194 lançadores de foguetes, mais de 70 mísseis guiados antitanque e mais de 700.000 cartuchos de munição” apreendidos do Irã pela Marinha dos EUA.

    “No final das contas, a Ucrânia precisa de vários suprimentos para o esforço de guerra e, embora isso não seja uma solução para todas as necessidades militares da Ucrânia, fornecerá um apoio crítico”, disse Jonathan Lord, pesquisador sênior e diretor do Programa de Segurança do Oriente Médio no Centro para uma Nova Segurança Americana, que pressionou os EUA a enviar as armas iranianas apreendidas para a Ucrânia num artigo de opinião em fevereiro.

    Lord acrescentou que a medida também poderá ter implicações na relação do Irã com a Rússia.

    “Durante mais de um ano, os Veículos Aéreos Não Tripulados (Vants) iranianos nas mãos dos militares russos têm sido usados ​​para atacar e assassinar civis ucranianos”, disse Lord.

    “Há justiça poética na Ucrânia, utilizando armas iranianas apreendidas para defender o seu povo contra a invasão criminosa e os abusos da Rússia. Além disso, esta política pode colocar maior pressão sobre a crescente relação entre Moscou e Teerã.”

    A decisão poderá criar uma divisão entre o Irã e a Rússia, que formaram uma parceria de defesa ao longo dos últimos meses, com o Irã fornecendo à Rússia drones para a sua guerra na Ucrânia e a Rússia cooperando com o Irã na produção de mísseis.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original