Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Faixa de Gaza está se tornando um “cemitério de crianças”, alerta secretário-geral da ONU

    António Guterres pediu o fim da guerra e a expansão "dramática" da ajuda humanitária a Gaza

    Richard RothHamdi AlkhshaliPierre MeilhanJessie Yeungda CNN

    A Faixa de Gaza está “se tornando um cemitério para crianças”, alertou o chefe das Nações Unidas na segunda-feira (6). A fala vem num contexto em que o número de mortos aumenta e crescem os apelos em todo o mundo por um cessar-fogo, um mês após o ataque de Israel ao Hamas — o grupo radical islâmico que comanda o território.

    “O pesadelo em Gaza é mais do que uma crise humanitária. É uma crise da humanidade”, disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, aos jornalistas em Nova Iorque, acrescentando que a necessidade de um cessar-fogo está se tornando “mais urgente a cada hora que passa”.

    “As partes no conflito — e, de fato, a comunidade internacional — enfrentam uma responsabilidade imediata e fundamental: pôr fim a este sofrimento coletivo desumano e expandir dramaticamente a ajuda humanitária a Gaza”, disse ele.

    Seus comentários foram feitos quatro semanas depois de Israel ter declarado guerra ao Hamas, após o ataque terrorista do grupo em 7 de outubro, que matou 1.400 pessoas em Israel e resultou no sequestro de cerca de 240 outras.

    Israel retaliou lançando uma ofensiva aérea e terrestre sobre a Faixa de Gaza, prometendo eliminar o grupo.

    Desde o início, organizações de ajuda global e grupos de direitos humanos alertaram que tal ataque seria catastrófico para Gaza, que está isolada de grande parte do mundo há quase 17 anos. Um bloqueio imposto por Israel e pelo Egito significou restrições severas à circulação de bens e pessoas — contribuindo para a pobreza generalizada, a fome e a dependência da ajuda internacional.

    A devastação dos ataques de Israel a Gaza está agora a se tornando aparente. Na segunda-feira, o Ministério da Saúde no enclave controlado pelo Hamas disse que mais de 10.000 pessoas foram mortas desde o início da guerra. Isso inclui mais de 4.100 crianças e 2.600 mulheres.

    Não está claro quantos combatentes estão incluídos no total, o que a CNN não pode confirmar de forma independente.

    Cerca de 1,5 milhão de residentes de Gaza estão agora deslocados — 70% da população — com a maioria vivendo em abrigos lotados da ONU, disse Tamara Alrifai, porta-voz da Agência de Assistência e Obras da ONU para Refugiados da Palestina no Oriente Próximo (UNRWA) na segunda-feira.

    Muitos evacuaram as suas casas no norte após serem avisados ​​por Israel para partirem imediatamente, outros ficaram desabrigados devido aos implacáveis ​​ataques aéreos que arrasaram edifícios em toda a Faixa de Gaza.

    Uma declaração da UNRWA descreveu as condições nos seus abrigos como “desumanas”, num contexto de falta de água potável e saneamento. No Centro de Treinamento de Khan Younis, onde 22 mil pessoas buscaram abrigo, pelo menos 600 pessoas compartilham um banheiro, disse a UNRWA.

    Foram detectados milhares de casos de infecções de pele, diarreia, catapora e outras doenças, transmitidas por pessoas que vivem em ambientes desconfortavelmente próximos, acrescentou.

    Corpos em decomposição presos sob edifícios desabados também representam um risco para a saúde dos sobreviventes, disse a UNRWA.

    Emily Callahan, uma enfermeira americana que conseguiu deixar Gaza na semana passada, descreveu ter visto ferimentos horríveis em Khan Younis e em outros abrigos.

    “Havia crianças com queimaduras graves no rosto, no pescoço e em todos os membros, e como os hospitais estão tão sobrecarregados, elas receberam alta imediatamente depois”, disse ela.

    “Eles estão recebendo alta (dos hospitais) para esses campos sem acesso a água corrente. Eles recebem duas horas de água a cada 12 horas.”

    Veja imagens da guerra entre Israel e Hamas

    Israel rejeita apelos por cessar-fogo

    A crise de Gaza e o horror crescente dos observadores internacionais pressionaram os líderes ocidentais a usarem a sua influência para aliviar a crise.

    Na segunda-feira, o Conselho de Segurança da ONU não conseguiu chegar a consenso sobre um projeto de resolução que visa pôr fim ao conflito em curso. O vice-embaixador dos EUA na ONU, Robert Wood, disse que nenhum progresso foi feito, afirmando: “Israel fará o que sente”.

    Um ponto de discórdia tem sido a linguagem da resolução que apela a um cessar-fogo imediato — apoiada por vários membros do Conselho, mas contestada pelos EUA e pelo Reino Unido, ambos com poder de veto.

    As tentativas anteriores de aprovar resoluções no Conselho de Segurança enfrentaram desafios, incluindo dois vetos dos EUA, sublinhando ainda mais a complexidade de se chegar a um consenso sobre esta questão crítica.

    A Embaixadora dos Emirados Árabes Unidos (EAU), Lana Zaki Nusseibeh, que abriu a reunião com a China, reforçou que as discussões estão em curso no conselho.

    “Estamos trabalhando noite e dia nisso; muitas pessoas perderam a vida, incluindo muitos trabalhadores humanitários e trabalhadores da ONU”, disse ela.

    Ela também anunciou que os EAU acolherão 1.000 crianças palestinas que necessitam de tratamento médico juntamente com as suas famílias para reabilitação, e que haveria “briefings e reuniões regulares” no Conselho de Segurança para “manter os holofotes sobre esta catástrofe humanitária muito, muito crítica que está acontecendo na Faixa de Gaza”.

    Numa entrevista à ABC News na segunda-feira, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, declarou que “não haveria cessar-fogo, cessar-fogo geral, em Gaza sem a libertação dos nossos reféns”.

    No entanto, ele disse que estava aberto a pequenas pausas — “uma hora aqui, uma hora ali para permitir a entrada de bens, bens humanitários, ou a saída dos nossos reféns, reféns individuais”.

    Alguma ajuda limitada conseguiu entrar em Gaza através do Egito pela passagem de Rafah, o único ponto fronteiriço remanescente não controlado por Israel. Mas ainda está longe de ser suficiente. Mais de 400 caminhões de ajuda atravessaram nas últimas duas semanas, em comparação com 500 por dia que costumavam entrar em Gaza antes do início da guerra, disse Guterres.

    A atual “gota de assistência não satisfaz o oceano de necessidades”, acrescentou, anunciando que a ONU e os seus parceiros estão lançando um apelo humanitário de 1,2 bilhão de dólares para ajudar toda a população de Gaza, da Cisjordânia e de Jerusalém Oriental.

    Guterres também reiterou a sua condenação dos ataques do Hamas de 7 de outubro e apelou à libertação dos reféns.

    Em resposta aos comentários de Guterres, o Embaixador de Israel na ONU, Gilad Erdan, apelou à sua demissão, acusando-o de fazer “a falsa comparação imoral entre uma organização terrorista brutal que comete crimes de guerra e uma democracia cumpridora da lei”.

    Veja mais: Mais 605 pessoas recebem autorização para deixar Gaza; brasileiros não estão na 5ª lista

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original