Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Hamas deve voltar ao Egito na terça, mas chances de acordo com Israel são mínimas

    Dois lados trocam acusações pelo impasse e a delegação do Hamas disse que vai deixar o Cairo na noite de domingo para consultar a sua liderança

    Palestinos andam de bicicleta pelas ruínas de casas e edifícios, destruídos durante a ofensiva militar de Israel na Faixa de Gaza
    Palestinos andam de bicicleta pelas ruínas de casas e edifícios, destruídos durante a ofensiva militar de Israel na Faixa de Gaza 31/03/2024REUTERS/Mahmoud Issa

    Nidal al-Mughrabida Reuters no Cairo

    As perspectivas de um cessar-fogo em Gaza pareciam mínimas neste domingo (5), quando o Hamas reiterou sua exigência pelo fim definitivo da guerra em troca da libertação de reféns, e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, descartou categoricamente essa possibilidade.

    Os dois lados trocam acusações pelo impasse e a delegação do Hamas disse que vai deixar o Cairo na noite de domingo para consultar a sua liderança.

    No entanto, os responsáveis ​​do Hamas planeavam voltar à capital egípcia na terça-feira, disseram duas fontes de segurança egípcias.

    No segundo dia de reuniões com mediadores egípcios e catarianos, os negociadores do Hamas mantiveram a sua posição de que qualquer acordo de trégua deve pôr fim à guerra, disseram autoridades palestinas.

    Autoridades israelenses não viajaram ao Cairo para participar da diplomacia indireta, mas, neste domingo, Netanyahu reiterou o objetivo de Israel desde o início da guerra, há quase sete meses: desarmar e desmantelar o movimento palestino para sempre ou então colocar em risco a segurança futura de Israel.

    O primeiro-ministro disse que Israel está disposto a interromper os combates em Gaza, a fim de garantir a libertação dos reféns ainda detidos pelo Hamas, que se acredita serem mais de 130.

    “Mas embora Israel tenha demonstrado vontade, o Hamas continua entrincheirado nas suas posições extremas, a primeira delas a exigência de retirar todas as nossas forças da Faixa de Gaza, acabar com a guerra e deixar o Hamas no poder”, disse Netanyahu. “Israel não pode aceitar isso.”

    Uma autoridade informada sobre as negociações disse à Reuters: “A última rodada de mediação no Cairo está perto do colapso”.

    O ministro da Defesa israelense, Yoav Gallant, disse que o Hamas não parecia levar a sério a busca de uma trégua.

    “Estamos observando sinais preocupantes de que o Hamas não pretende chegar a um acordo conosco”, disse Gallant. “Isso significa que uma forte ação militar em Rafah começará num futuro muito próximo e no resto da Faixa.”

    Blindado israelense manobra junto à fronteira com Gaza / 15/04/2024 REUTERS/Amir Cohen

    Num comunicado divulgado pouco depois do de Netanyahu, o chefe do Hamas, Ismail Haniyeh, disse que o grupo ainda está interessado em alcançar um cessar-fogo abrangente que ponha fim à “agressão” israelense, garanta a retirada de Israel de Gaza e consiga um acordo “sério” para libertar os israelenses mantidos como reféns em troca da libertação de prisioneiros palestinos.

    Haniyeh culpou Netanyahu pela “continuação da agressão e pela expansão do círculo de conflito, e pela sabotagem dos esforços feitos através dos mediadores e de várias partes”.

    O Catar, onde o Hamas tem um escritório político, e o Egito estão tentando mediar um cessar-fogo, em meio à consternação internacional com o crescente número de mortos em Gaza e a situação dos seus 2,3 milhões de habitantes.

    Ofensiva em Rafah

    Israel vem alertando há meses que planeja enviar tropas para Rafah, a cidade no sul da fronteira com o Egito, onde mais de um milhão de residentes deslocados de Gaza se refugiaram.

    Israel acredita que milhares de combatentes do Hamas estão escondidos na cidade, juntamente com potencialmente dezenas de reféns.

    Tal incursão colocaria centenas de milhares de vidas em risco e seria um enorme golpe para as operações de ajuda de todo o enclave, disse o escritório humanitário da ONU na sexta-feira.

    Moradores e autoridades de saúde em Gaza disseram que aviões e tanques israelenses continuaram a atacar áreas do território palestino durante a noite, matando e ferindo várias pessoas.

    O braço armado do Hamas assumiu a responsabilidade por um ataque no domingo na passagem Kerem Shalom entre Israel e Gaza , que segundo relatos da mídia israelense e palestina resultou em baixas israelenses.

    Palestinos deslocados, que fugiram de suas casas devido aos ataques israelenses, abrigam-se em um acampamento em Rafah
    Palestinos deslocados, que fugiram de suas casas devido aos ataques israelenses, abrigam-se em um acampamento em Rafah / Ibraheem Abu Mustafa/Reuters (08.fev.24)

    Washington – que, tal como outras potências ocidentais e Israel, classifica o Hamas como um grupo terrorista – instou o Hamas a entrar num acordo.

    O diretor da CIA, William Burns – que esteve no Cairo – está viajando para Doha para realizar uma reunião de emergência com o primeiro-ministro do Catar, disse uma autoridade informada sobre as negociações na noite de domingo.

    “Burns está a caminho de Doha para uma reunião de emergência com o primeiro-ministro do Catar, com o objetivo de exercer pressão máxima sobre Israel e o Hamas para continuarem as negociações”, acrescentou a fonte.

    Embora os dois lados permaneçam num impasse sobre a questão do fim da guerra, Israel deu um aceno preliminar aos termos que uma fonte disse incluírem o retorno de entre 20 e 33 reféns em troca da libertação de centenas de prisioneiros palestinos e de uma trégua de várias semanas.

    Isso deixaria cerca de 100 reféns em Gaza, alguns dos quais, segundo Israel, morreram no cativeiro. A fonte, que pediu para não ser identificada por nome ou nacionalidade, disse à Reuters que o retorno deles pode exigir um acordo adicional.