Indianos, CEOs de Google e Microsoft prometem ajuda em crise de Covid-19

Diretores das gigantes da tecnologia postaram em suas contas no Twitter que apoiarão o país com suprimentos médicos urgentes e recursos financeiros

Vítimas de Covid-19 são cremadas na Índia; recorde de casos e mortes sobrecarrega o país
Vítimas de Covid-19 são cremadas na Índia; recorde de casos e mortes sobrecarrega o país Foto: Mayank Makhija - 26.abr.2021/NurPhoto via Getty Images

Manveena Suri e Michelle Toh, da CNN

Ouvir notícia

Sundar Pichai, do Google, e Satya Nadella, da Microsoft, estão enviando ajuda às pressas para a Índia enquanto o país luta contra uma onda devastadora do novo coronavírus.

Nascidos na Índia, os CEOs se comprometeram em declarações nesta segunda-feira (26) a ajudar a combater uma escassez crítica de oxigênio médico, a fornecer conhecimentos técnicos e implantar recursos corporativos, enquanto o país continua a bater recordes mundiais de infecções diárias.

“Estou com o coração partido pela situação atual na Índia”, escreveu Nadella no Twitter. “Sou grato pelo governo dos Estados Unidos estar se mobilizando para ajudar. A Microsoft continuará a usar sua voz, recursos e tecnologia para ajudar nos esforços de socorro e apoiar a compra de dispositivos críticos de concentração de oxigênio”, acrescentou.

Nadella foi acompanhado horas depois por Pichai, que disse em uma publicação no Twitter que estava “arrasado ao ver o agravamento da crise da Covid” e anunciou 1,35 bilhão de rúpias (US$ 18 milhões; quase R$ 100 milhões) em ajudas provenientes do Google e seus funcionários.

O Google disse em uma postagem em um de seus blogs que forneceria uma doação ao Unicef para suprimentos médicos urgentes, incluindo oxigênio e equipamentos de teste. Uma plataforma de doação online, chamada Give India, receberá um subsídio para famílias atingidas pela crise. A empresa também está contribuindo com US$ 15 milhões (o equivalente a R$ 82 milhões) em publicidade gratuita para campanhas de informação de saúde pública.

Nadella e Pichai são dois dos executivos globais de maior sucesso da Índia. Nadella, que é originalmente da cidade de Hyderabad, no sul da Índia, trabalha na Microsoft desde 1992 e se tornou o diretor-executivo da empresa em 2014.

Pichai nasceu em Tamil Nadu. Ele ficou conhecido por não ter tido um computador enquanto crescia, até se mudar para os Estados Unidos, para estudar na Universidade de Stanford. Ele ingressou no Google em 2004. Pichai foi escolhido CEO da empresa em 2015 e, mais tarde, assumiu o cargo da empresa controladora Alphabet em 2019.

Os compromissos dos executivos ocorrem no momento em que uma segunda onda de Covid-19, que começou em meados de março, devasta comunidades e hospitais em toda Índia. Tudo está em falta – leitos em Unidades de Terapia Intensiva (UTI), remédios, oxigênio e ventiladores. Corpos estão se acumulando em necrotérios e crematórios.

“A Índia está passando pelo momento mais difícil na pandemia até agora”, escreveu Sanjay Gupta, chefe do Google na Índia, no blog da empresa.

Gupta disse que a empresa está trabalhando para melhorar a forma como as pessoas encontram informações sobre “onde conseguir testes e vacinas” nas plataformas da empresa, incluindo no seu mecanismos de busca, no Google Maps e no YouTube.

“Estamos nos perguntando o que mais podemos fazer como empresa para garantir que as pessoas recebam as informações e o apoio que precisam para manter suas famílias e comunidades saudáveis e seguras”, acrescentou. “Nossa comunidade do Google e suas famílias também estão sentindo o impacto devastador.”

A Índia reportou 352.991 novos casos de coronavírus nesta segunda-feira (26), elevando o total para mais de 17,3 milhões, de acordo com números da CNN com base no Ministério da Saúde indiano. É o maior número de casos registrados em um único dia em qualquer parte do mundo.

O número de mortos no país também continua a atingir novos picos, com 2.812 mortes relatadas, marcando o décimo dia consecutivo de números crescentes. O número total de mortes passa de 195 mil.

Jessie Yeung e Swati Gupta contribuíram com esta reportagem.

(Texto traduzido; leia o original em inglês)

Mais Recentes da CNN