Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Iranianas queimam hijabs em protesto à morte de jovem por mau uso de véu

    Mahsa Amini, de 22 anos, morreu sob custódia policial na semana passada

    Uma mulher iraniana em cima do capô de carro incendeia seu lenço na cabeça no centro de Teerã durante protestos por Mahsa Amini, 22, que morreu depois que ela foi presa pela polícia de moralidade do Irã por "hijab impróprio"
    Uma mulher iraniana em cima do capô de carro incendeia seu lenço na cabeça no centro de Teerã durante protestos por Mahsa Amini, 22, que morreu depois que ela foi presa pela polícia de moralidade do Irã por "hijab impróprio" SalamPix/Abaca/Sipa USA

    Jessie YeungRamin MostaghinJomana Karadsheh

    Uma enorme multidão aplaude quando uma mulher leva a tesoura ao cabelo – exposta, sem um hijab à vista. O mar de pessoas, muitas delas homens, ruge enquanto ela corta o rabo de cavalo e levanta o punho no ar.

    Foi um poderoso ato de desafio na noite de terça-feira (20) na cidade de Kerman, no Irã, onde as mulheres são obrigadas a usar hijabs em público – e apenas um dos muitos protestos que ocorrem em todo o país após e Mahsa Amini, uma jovem de 22 anos, morta sob custódia policial na semana passada.

    Milhares foram às ruas, com vídeos de protestos emergindo de dezenas de cidades – desde a capital Teerã até redutos mais tradicionalmente conservadores como Mashad. As imagens mostram alguns manifestantes gritando: “Mulheres, vida, liberdade”. Outros podem ser vistos fazendo fogueiras, brigando com a polícia ou removendo e queimando seus lenços na cabeça – além de destruir cartazes do líder supremo do país e gritar: “Morte ao ditador”.

    Em um vídeo em Teerã, jovens manifestantes marcham ao redor de uma fogueira na rua à noite, cantando: “Nós somos os filhos da guerra. Venha e lute, e nós vamos lutar de volta.” Quase todas as cidades provinciais da região curda do Irã, incluindo Kermanshah e Hamedan, também viram manifestações.

    Os protestos são marcantes por sua escala, ferocidade e rara natureza feminista; os últimos protestos desse tamanho foram há três anos, depois que o governo aumentou os preços do gás em 2019.

    Testemunhas disseram à CNN que as manifestações de terça-feira à noite parecem ser “protestos instantâneos” – o que significa que grupos se formam e se dispersam rapidamente, para evitar confrontos com as forças de segurança do Irã após a escalada de violência da semana passada.

    Uma fonte disse que houve pelo menos um caso de resposta policial pesada na terça-feira, perto da praça Enghelab (“Revolução”) do Irã, no lado oeste da Universidade de Teerã – historicamente um ponto de encontro para protestos.

    “Dois jovens foram atingidos e espancados por policiais à paisana e policiais antimotim, depois arrastados para a van em frente ao portão de entrada do metrô”, disse uma testemunha ocular à CNN. “Uma menina ferida deitada na calçada foi levada de ambulância para o hospital e outras cinco presas no lado norte da Praça Enghelab”. 

    Pelo menos cinco manifestantes foram mortos a tiros durante manifestações na região curda nos últimos dias, de acordo com a Organização Hengaw para os Direitos Humanos, uma organização registrada na Noruega que monitora violações de direitos no Irã. Ele disse que outros 75 ficaram feridos em outras cidades no fim de semana.

    Os protestos eclodiram após a morte de Amini, que foi parado e detido pela polícia de moralidade do Irã na última terça.

    Autoridades iranianas disseram que Amini morreu na sexta-feira passada depois de sofrer um “ataque cardíaco” e entrar em coma após sua prisão. No entanto, sua família disse que ela não tinha um problema cardíaco pré-existente, de acordo com o Emtedad News, um meio de comunicação pró-reforma iraniano que alegou ter falado com o pai de Amini.

    Imagens editadas de câmeras de segurança divulgadas pela mídia estatal do Irã pareciam mostrar Amini desmaiando em um centro de “reeducação” onde foi levada para receber “orientações” sobre seu traje.

    A polícia de moralidade do Irã faz parte da aplicação da lei do país e tem a tarefa de fazer cumprir as rígidas regras sociais da República Islâmica, incluindo seu código de vestimenta que exige que as mulheres usem lenço na cabeça, ou hijab, em público.

    Um assessor do líder supremo Ali Khamenei prometeu uma “investigação completa” sobre a morte de Amini durante uma reunião com sua família em sua casa na segunda-feira, segundo a agência semi-oficial Nour News do Irã.

    Abdolreza Pourzahabi, representante de Khamenei na província curda do Irã, disse que o líder supremo “está triste” e que a dor da família “é sua tristeza também”, segundo Nour. Ele acrescentou que espera que a família mostre “boa vontade para ajudar a trazer de volta a calma na sociedade”.

    Durante uma entrevista coletiva, também na segunda-feira, o comandante da polícia da Grande Teerã, Hossein Rahimi, negou “falsas acusações” contra a polícia iraniana, dizendo que eles “fizeram de tudo” para manter Amini vivo. Ele acrescentou que Amini não foi ferida fisicamente durante ou depois que ela foi presa e chamou sua morte de “infeliz”.

    Desde a morte de Amini, o site de monitoramento da internet Netblocks documentou interrupções na internet desde sexta-feira – uma tática que o Irã usou anteriormente para impedir a propagação de protestos.

    *Com informações de Jennifer Deaton

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original