Kremlin diz que “chegará a hora” de celebrar o Dia da Vitória em Mariupol

Governo russo negou que iria declarar oficialmente guerra à Ucrânia em 9 de maio

Reuters

Ouvir notícia

O Kremlin disse, nesta sexta-feira (6), que não sabe se haverá um desfile em Mariupol em 9 de maio para comemorar a vitória da União Soviética na Segunda Guerra Mundial, mas que chegaria a hora de celebrar o Dia da Vitória.

As forças russas dizem que capturaram Mariupol apesar da resistência contínua das forças ucranianas na usina siderúrgica Azovstal, na região do Donbass.

“Chegará a hora de marcar o Dia da Vitória em Mariupol”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, a repórteres em uma entrevista na sexta-feira, quando questionado sobre os planos para 9 de maio em território recentemente tomado por forças apoiadas pela Rússia.

A Rússia negou recentemente especulações de que o presidente Vladimir Putin planeja declarava guerra à Ucrânia e declarar uma mobilização nacional em 9 de maio.

O Dia da Vitória de 9 de maio é um dos eventos nacionais mais importantes da Rússia – uma lembrança do enorme sacrifício soviético feito para derrotar a Alemanha nazista no que é conhecido na Rússia como a Grande Guerra Patriótica.

Estima-se que 27 milhões de cidadãos soviéticos foram mortos na guerra de 1941-45, que deixou a União Soviética devastada e quase todas as famílias soviéticas de luto.

Putin usou discursos anteriores do Dia da Vitória para atrair o Ocidente e mostrar o poder de fogo das forças armadas pós-soviéticas da Rússia.

Quarteirões arrasados em Mariupol confirmam forte bombardeio

A invasão da Ucrânia pela Rússia em 24 de fevereiro matou milhares de pessoas, deslocou outros milhões e aumentou o medo do confronto mais sério entre a Rússia e os Estados Unidos desde a crise dos mísseis cubanos de 1962.

Putin diz que a “operação militar especial” na Ucrânia é necessária porque os Estados Unidos estavam usando a Ucrânia para ameaçar a Rússia e Moscou teve que se defender contra a perseguição de pessoas de língua russa.

Mais Recentes da CNN