Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    #CNNPop

    Mês passado foi o junho mais quente já registrado no planeta

    Além disso, as temperaturas da superfície do oceano foram as mais quentes já registradas no mês

    Nove dos 10 junhos mais quentes ocorreram nos últimos 10 anos
    Nove dos 10 junhos mais quentes ocorreram nos últimos 10 anos Inmet

    Rachel Ramirezda CNN

    A temperatura da Terra estava fora das tabelas no mês passado, quando uma onda de calor extremo queimou o sul dos EUA e o México e o calor do oceano subiu para níveis alarmantes, mostra um novo relatório.

    A análise do Serviço de Mudanças Climáticas Copernicus da União Europeia constatou que o mês passado foi o junho mais quente do planeta por uma “margem substancial” acima do recorde anterior, estabelecido em 2019.

    Nove dos 10 junhos mais quentes ocorreram nos últimos 10 anos, de acordo com a agência – evidências de que a crise climática causada pelo homem está levando as temperaturas a níveis sem precedentes.

    A Copernicus também descobriu que as temperaturas da superfície do oceano foram as mais quentes já registradas em junho, impulsionadas principalmente pelo calor excepcional no Atlântico Norte e pelo fortalecimento do El Niño no Pacífico.

    A análise veio quando dados de agências climáticas globais sugeriram que o planeta viu seu dia mais quente já registrado no início desta semana – primeiro na segunda-feira e depois novamente na terça-feira.

    “Isso é alarmante”, disse Jennifer Marlon, cientista do clima da Yale School of Environment, que não participou da análise, à CNN.

    “É difícil imaginar como será o verão para nossos filhos e netos nos próximos 20 anos. É exatamente assim que o aquecimento global se parece.”

    Os cientistas alertaram que essas temperaturas recordes carregam as impressões digitais da crise climática. E para piorar as coisas, as estrelas estão se alinhando este ano para que muitos mais recordes sejam quebrados, já que o El Niño, que também tem um impacto de aquecimento, eleva as temperaturas a níveis sem precedentes.

    O noroeste da Europa experimentou temperaturas recordes na última vez, incluindo o Reino Unido, que registrou seu junho mais quente já registrado, de acordo com o UK Met Office.

    As temperaturas em partes do Canadá, Estados Unidos, México, Ásia e leste da Austrália foram “significativamente” mais quentes que o normal em junho, segundo o relatório.

    Nos EUA, o Texas e partes do sul experimentaram uma onda de calor brutal no final de junho, com temperaturas de três dígitos Fahrenheit e umidade extrema. O calor, que se estendeu para o sul até a América Central, matou pelo menos 112 pessoas no México desde março.

    Dias extremamente quentes – que podem ser considerados os dias mais quentes do verão – são mais frequentes agora do que em 1970 em 195 locais nos EUA, de acordo com o grupo de pesquisa Climate Central.

    Desses locais, cerca de 71% agora enfrentam pelo menos sete dias adicionais extremamente quentes a cada ano. Os oceanos continuaram com uma notável tendência de aquecimento desde o início de 2023, de acordo com o relatório de quinta-feira.

    O Atlântico Norte registrou temperaturas oceânicas excepcionalmente quentes em junho, com uma onda de calor marinha de categoria 4 – definida como “extrema” – observada na Irlanda, no Reino Unido e no Mar Báltico.

    Embora o aumento da poluição que aquece o planeta seja um dos principais impulsionadores desse calor extremo, os cientistas dizem que o El Niño deve aumentar ainda mais as temperaturas dos oceanos este ano.

    “O aquecimento dos oceanos é ainda mais preocupante porque, à medida que os oceanos aquecem, eles se expandem, o que significa níveis mais altos do mar, tempestades maiores e mais inundações das comunidades costeiras”, disse Marlon.

    O mês passado também foi mais úmido do que a média na maior parte do sul da Europa e em partes da Islândia e da Rússia, com fortes chuvas causando inundações na Turquia, Kosovo e Romênia.

    Enquanto isso, várias partes do mundo, desde a Europa Oriental e Escandinávia até grande parte da América do Norte, tiveram condições mais secas do que a média em junho, com incêndios florestais no Chifre da África, Canadá e partes da América do Sul e Austrália.

    O gelo do mar antártico também atingiu sua menor extensão no mês de junho – 17% abaixo da média – desde o início das observações de satélite, quebrando o recorde anterior de junho estabelecido no ano passado.

    De acordo com o Copernicus, a extensão diária do gelo marinho ao redor da Antártida permaneceu em níveis “baixos sem precedentes” para esta época do ano.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original