Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    “Mostre sua posição”: Zelensky pede apoio mundial à Ucrânia em um mês de invasão russa

    Presidente ucraniano fez as declarações em um discurso postado no Facebook na noite desta quarta-feira (23)

    Protestos em Madrid em apoio à Ucrânia
    Protestos em Madrid em apoio à Ucrânia Mari Palma e Phelipe Siani/CNN

    Sahar Akbarzaida CNN

    O presidente Volodymyr Zelensky está pedindo manifestações mundiais em apoio à Ucrânia enquanto a invasão russa atinge a marca de um mês na quinta-feira (24). O presidente ucraniano fez as declarações em um discurso postado no Facebook na noite desta quarta-feira (23), com o objetivo de ver as manifestações começarem amanhã.

    “Isso parte meu coração, o coração de todos os ucranianos e de todas as pessoas livres do planeta. Por isso pedi que se opusesse à guerra a partir de 24 de março, exatamente um mês após a invasão russa. A partir deste dia e depois disso, mostre sua posição, venha de seus escritórios, suas casas, suas escolas e universidades. Venha em nome da paz, venha com símbolos ucranianos para apoiar a Ucrânia”, pediu o presidente.

    Zelensky disse que a invasão da Ucrânia pela Rússia é uma guerra contra a liberdade e que a Rússia pretende derrotar a liberdade de toda a Europa e do mundo.

    “Apoiar a liberdade, apoiar a vida. Venha para suas praças, suas ruas, faça-se visível e ouvido. Diga que as pessoas importam, a liberdade importa, a paz importa, a Ucrânia importa”, disse Zelensky.

    O líder ucraniano exortou o mundo a se unir contra a invasão da Rússia, dizendo que “a guerra da Rússia não é apenas a guerra contra a Ucrânia, seu significado é muito mais amplo”.

    Neutralizar a Ucrânia

    Em entrevista à Christiane Amanpour, da CNN, na terça-feira (22), o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, afirmou que os objetivos da Rússia seguem os mesmos desde o início da operação: desmilitarizar e neutralizar a Ucrânia, se livrar de batalhões neonazistas e o reconhecimento dos territórios independentes.

    “Ninguém tem raiva da Ucrânia nem dos ucranianos, apenas daqueles proíbem que se fale russo, dos que carregam símbolos nazistas nas ruas, dessas pessoas que querem a Otan ameaçando a Rússia”, afirmou Peskov para defender que a ocupação do país não é o objetivo russo.

    Questionado sobre os ataques Peskov negou mais uma vez os ataques a civis e acusou tropas nacionalistas ucranianas de impedir a fuga dos moradores: “temos recebido muitos refugiados dessa região e eles dizem que estão sendo usados como escudos, esses nacionalistas estavam matando pessoas que tentavam deixar a cidade. Nosso principal objetivo é livrar a cidade desses bandidos.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original