Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Mundo acaba com poluente perigoso; mas será que aqueceu o planeta no processo?

    Regulamentação reduziu em 80% o teor de enxofre permitido no combustível dos navios, evitando 30 mil mortes por ano, mas esse tipo de poluição também ajuda a esfriar o planeta ao refletir a luz solar

    Nuvens longas e estreitas chamadas "rastros de navios" contra o pano de fundo de nuvens marinhas sobre o Oceano Pacífico Norte em 26 de agosto de 2018. Essas nuvens distintas se formam quando o vapor de água se condensa em torno das minúsculas partículas emitidas pelos navios em suas chaminés
    Nuvens longas e estreitas chamadas "rastros de navios" contra o pano de fundo de nuvens marinhas sobre o Oceano Pacífico Norte em 26 de agosto de 2018. Essas nuvens distintas se formam quando o vapor de água se condensa em torno das minúsculas partículas emitidas pelos navios em suas chaminés Lauren Dauphin/NASA Earth Observatory/MODIS data from LANCE/EOSDIS Rapid Response

    Laura Paddisonda CNN

    Os enormes navios de carga que cruzam os oceanos do mundo por vezes deixam “rastros” no seu caminho – nuvens longas e finas que percorrem o céu, durando até alguns dias antes de desaparecerem.

    Essas nuvens fantasmas são lindas, mas são um sinal visível de poluição atmosférica mortal. Elas se formam quando pequenas partículas de dióxido de enxofre expelidas das chaminés dos navios interagem com o vapor de água na atmosfera, criando nuvens baixas e altamente reflexivas.

    A poluição por enxofre dos navios causa dezenas de milhares de mortes prematuras por ano. Mas no que pode parecer uma reviravolta cruel – especialmente vindo de uma indústria responsável por cerca de 3% das emissões globais de gases efeito de estufa – esse tipo de poluição também ajuda a arrefecer o planeta, iluminando as nuvens e refletindo a energia do sol para longe da Terra.

    Então, quando em 2020 a Organização Marítima Internacional (IMO), o órgão das Nações Unidas que regula o transporte marítimo, reduziu em 80% o teor de enxofre permitido no combustível dos navios, foi uma vitória para a saúde humana. É estimado que 30 mil mortes prematuras serão agora evitadas todos os anos.

    Mas era “uma nuvem prateada com um revestimento escuro”, disse Michael Diamond, professor assistente do Departamento de Ciências da Terra, Oceanos e Atmosféricas da Universidade Estadual da Flórida. Os regulamentos encerraram um vasto e acidental projeto de geoengenharia. Os rastros dos navios reduziram drasticamente e, com eles, o impacto de resfriamento dessa poluição.

    À medida que as temperaturas globais aumentam, os cientistas tentam desvendar se essas regulamentações marítimas podem estar inadvertidamente alimentando uma aceleração alarmante do aquecimento global – uma hipótese controversa que dividiu alguns especialistas.

    Esse é um debate que se tornou mais urgente devido ao calor recorde do ano passado. “Os cientistas estão surpresos com o calor atípico que foi 2023”, disse Olaf Morgenstern, cientista do Instituto Nacional de Pesquisa Hídrica e Atmosférica da Nova Zelândia.

    O calor foi especialmente acentuado em algumas partes dos oceanos, onde as temperaturas da água em áreas como o Atlântico Norte dispararam descontroladamente.

    Temperaturas recordes do oceano do ano passado continuam em 2024

    Temperatura média global diária da superfície do mar, 1981 a 2024

    Nota: A média global é de 60°S – 60°N. Dados de 23 de janeiro de 2024.
    Fonte: Reanalisador Climático
    Gráfico: Krystina Shveda e Amy O’Kruk, CNN

    Os cientistas dizem que o aumento da temperatura global foi impulsionado principalmente por dois fatores: os impactos do El Niño, um fenômeno climático natural que tende a ter um impacto no aquecimento global, combinado com o cenário de aquecimento global a longo prazo causado pela queima de combustíveis fósseis.

    Mas alguns especularam que o calor aumentou tão anormalmente que outras influências também podem estar em jogo. As teorias incluem a falta de poeira do Saara que reflete a luz solar, uma mudança nos padrões do vento e a erupção do vulcão subaquático Hunga Tonga em janeiro de 2022, que injetou vapor de água para aquecer o planeta na atmosfera suficiente para encher 58 mil piscinas olímpicas.

    De todas as teorias, no entanto, o impacto das regulamentações marítimas está rapidamente tornando uma das mais discutidas. Os cientistas sabem há muito tempo que a redução dessa poluição por partículas teria um efeito de aquecimento, mas o quanto “é onde começa a controvérsia”, disse Morgenstern.

    Em novembro, o proeminente cientista climático James Hansen foi coautor de um artigo que argumentava que a redução da poluição marítima era o principal fator de uma aceleração alarmante do aquecimento global que vai além do que os modelos climáticos previam.

    Os regulamentos de transporte marítimo da IMO foram “uma experiência científica não intencional”, disse Hansen à CNN. A sua pesquisa previu que as temperaturas globais ultrapassariam 1,5 graus Celsius de aquecimento acima dos níveis pré-industriais na década de 2020 e 2 graus na década de 2050 – um nível catastrófico de aquecimento que poderia desencadear uma série de pontos de inflexão climáticos.

    Mas outros cientistas pediram cautela, até porque a relação entre as partículas de poluição e as nuvens é extremamente complexa. Desvendá-la é “um dos maiores desafios da ciência climática”, disse Diamond.

    Navio porta-contêineres atracado nos portos de Los Angeles e Long Beach, Califórnia / 06/02/2015 REUTERS/Bob Riha Jr

    Piers Forster, professor de física climática na Universidade de Leeds, no Reino Unido, disse que a redução da poluição marítima provavelmente terá uma influência muito pequena no aquecimento.

    De acordo com os cálculos de Forster, as regulamentações aumentarão o aquecimento global em cerca de 0,01 graus Celsius, o que poderá aumentar para cerca de 0,05 graus até 2050 – o equivalente a cerca de dois anos adicionais de emissões causadas pelo homem.

    No entanto, acrescentou, o efeito incerto da poluição nas nuvens significa que existe a possibilidade do impacto do aquecimento ser muito maior – mais 0,1 ou 0,2 graus até 2050.

    Diamond, cujo próprio trabalho estima que as regulamentações trarão níveis de aquecimento entre 0,05 e 0,1 graus nas próximas décadas, disse que esse calor não será “um empecilho”, mas é importante. Cada fração de grau é importante quando o mundo se aproxima de níveis de aquecimento aos quais até os humanos terão cada vez mais dificuldade em se adaptar.

    Diamond, assim como a maioria dos outros cientistas com quem a CNN conversou, não acredita que o declínio na poluição marítima tenha sido um fator importante no calor global do ano passado, até porque geralmente há um intervalo de tempo antes que as mudanças na atmosfera se reflitam na temperatura da Terra.

    “Mas acho que isso poderia ter sido um pouco mais importante regionalmente”, disse ele. O transporte marítimo está distribuído de forma desigual, estando grande parte concentrado entre a Europa, a América do Norte e a Ásia, o que significa que os impactos da poluição atmosférica também serão provavelmente distorcidos.

    Em áreas como o Atlântico Norte, onde as temperaturas subiram vários graus acima do normal em 2023, disse Diamond, “o transporte marítimo é uma explicação decente para parte do motivo pelo qual estava tão quente”.

    Navio com contêineres atravessa Golfo de Suez em direção ao Mar Vermelho antes de entrar no Canal de Suez, em Al-'Ain al-Sokhna, no Egito
    Navio com contêineres atravessa Golfo de Suez em direção ao Mar Vermelho antes de entrar no Canal de Suez, em Al-‘Ain al-Sokhna, no Egito / 30/07/2023 REUTERS/Mohamed Abd El Ghany

    Existem apenas alguns anos de dados até agora, e levará algum tempo para os cientistas desvendarem o impacto exato da queda na poluição marítima.

    Mas é claro que a poluição por partículas provenientes de todas as fontes, incluindo a queima de combustíveis fósseis, teve um impacto de arrefecimento. Sem ela, o mundo seria cerca de 0,4 graus mais quente, de acordo com um relatório de 2021 do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas. E a diminuição da poluição no futuro poderá ter um grande impacto.

    Annica Ekman, professora de meteorologia na Universidade de Estocolmo, na Suécia, disse que a sua pesquisa descobriu que a diminuição da poluição por partículas causada pelo homem entre 2015 e 2050 poderia aquecer o planeta até 0,5 graus.

    Mas esse não é um argumento contra a redução da poluição atmosférica, disse Diamond, é um argumento para combatê-la juntamente com a redução das emissões de carbono.

    O impacto de resfriamento da poluição atmosférica é largamente compensado pelo impacto do aquecimento da queima de combustíveis fósseis. É quando a poluição atmosférica é combatida sem reduzir também as emissões de carbono que “podemos ter problemas”, disse Diamond.

    É isso que está acontecendo nessa indústria naval, onde enormes navios de contêineres ainda são impulsionados através dos oceanos por centenas de milhões de toneladas de combustíveis fósseis.

    “Não devemos esquecer por que existe a regulamentação”, disse Forster. “Ela existe para salvar vidas da poluição do ar”. Embora a redução dessa poluição tenha um pequeno impacto no aquecimento, a ação imediata para reduzir as emissões reduzirá a taxa de aquecimento global e melhorará a qualidade do ar, disse ele. Não estamos “em uma trajetória condenada”, acrescentou.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original