Na ONU, Cuba e Venezuela culpam Otan por guerra na Ucrânia

Por outro lado, defendeu a "soberania nacional" da Ucrânia e defendeu o diálogo como meio de solucionar o conflito

Assembleia Geral Emergencial da ONU
Assembleia Geral Emergencial da ONU Getty Images

Artur Nicocelida CNN

São Paulo

Ouvir notícia

Na contramão da maioria dos países, os discursos dos embaixadores de Cuba e da Venezuela neste segundo dia de sessão extraordinária da Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas) foram marcados por críticas à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e aos Estados Unidos.

O embaixador cubano na ONU, Pedro Luis Pedroso Cuesta, condenou as sanções impostas contra a Rússia e acusou a Otan de agir com “hipocrisia” na condução da guerra com a Ucrânia.

“Cuba rejeita essa hipocrisia e esse duplo padrão na postura da Otan. Em 1999, houve uma agressão à Iugoslávia e os países da Europa não evitaram a grande perda de vidas por razões geopolíticas. Os Estados Unidos usaram a força em várias ocasiões em países soberanos para alterar regimes, interferindo na política interna de outros países”, disse o embaixador cubano.

Ainda na avaliação do cubano, os Estados Unidos tratam milhões de habitantes dos países invadidos como “efeito colateral” e acusou o governo do presidente Joe Biden de realizar “guerras de pilhagem e saques”.

O representante de Cuba encerrou a fala ressaltando que o país defende uma solução diplomática do conflito: “nós queremos negociações, e não guerra. Essa é a única forma de resolver esse conflito. Cuba vai continuar defendendo a solução diplomática, que seja séria, construtiva e realista”.

Já Samuel Moncada, embaixador da Venezuela na ONU, declarou que a crise na Ucrânia foi agravada pela crescente pressão por parte do bloqueio militar da Otan no território ucraniano, “com efeito destrutivo de garantias de segurança, em particular para a Federação Russa”.

De todo modo, ele aponta que o maior sucesso da ONU foi evitar a terceira guerra mundial. “[A organização] tem o papel de impedir os conflitos e usar os caminhos diplomáticos para uma resolução pacífica”.

“Nosso dever hoje é corrigir a trajetória e evitar chegar em um ponto sem volta, que irá comprometer as gerações presentes e futuras”.

Argentina

Por outro lado, Argentina reforçou a necessidade das negociações e criticou a invasão russa. “Fazemos um chamado para que todas as instâncias colaborem para diminuir [a guerra] e que as soluções apareçam com o diálogo”, disse a representante do país.

“Nenhuma aquisição territorial pode ser reconhecida como legal quando é usado a força. A soberania nacional deve ser respeitada”. A representante também criticou o movimento do presidente da Rússia, Vladimir Putin, de colocar no último domingo (27) as unidades que incluem armas nucleares em alerta máximo.

Entenda o conflito

Após meses de escalada militar e intemperança na fronteira com a Ucrânia, a Rússia atacou o país do Leste Europeu. No amanhecer da última quinta-feira (24), as forças russas começaram a bombardear diversas regiões do país.

Horas mais cedo, o presidente russo, Vladimir Putin, autorizou uma “operação militar especial” na região de Donbas (ao Leste da Ucrânia, onde estão as regiões separatistas de Luhansk e Donetsk, as quais ele reconheceu independência).

O que se viu nas horas a seguir, porém, foi um ataque a quase todo o território ucraniano, com explosões em várias cidades, incluindo a capital Kiev.

De acordo com autoridades ucranianas, dezenas de mortes foram confirmadas nos exércitos dos dois países.

Em seu pronunciamento antes do ataque, Putin justificou a ação ao afirmar que a Rússia não poderia “tolerar ameaças da Ucrânia”. Putin recomendou aos soldados ucranianos que “larguem suas armas e voltem para casa”. O líder russo afirmou ainda que não aceitará nenhum tipo de interferência estrangeira.

Esse ataque ao ex-vizinho soviético ameaça desestabilizar a Europa e envolver os Estados Unidos.

A Rússia vem reforçando seu controle militar em torno da Ucrânia desde o ano passado, acumulando dezenas de milhares de tropas, equipamentos e artilharia nas portas do país.

Nas últimas semanas, os esforços diplomáticos para acalmar as tensões não tiveram êxito.

A escalada no conflito de anos entre a Rússia e a Ucrânia desencadeou a maior crise de segurança no continente desde a Guerra Fria, levantando o espectro de um confronto perigoso entre as potências ocidentais e Moscou.

*Com informações da Agência Brasil

Mais Recentes da CNN