Negociações nucleares com o Irã avançam e serão retomadas na sexta, diz Rússia

"Temos todos os motivos para esperar que o resultado final seja bem-sucedido e virá em breve", disse o embaixador Mikhail Ulyanov

Vista da instalação iraniana de enriquecimento de urânio de Natanz, a 250km ao sul da capital Teerã
Vista da instalação iraniana de enriquecimento de urânio de Natanz, a 250km ao sul da capital Teerã Foto: Raheb Homavandi (Reuters)

Reuters

Ouvir notícia

As negociações indiretas entre o Irã e os Estados Unidos para trazer os dois lados de volta ao cumprimento do acordo nuclear de 2015 estão progredindo continuamente e serão retomadas na sexta-feira, de acordo com o chefe da delegação da Rússia.

As negociações começaram em abril, em Viena, com as partes restantes do acordo – Irã, Rússia, China, França, Grã-Bretanha e Alemanha – reunidas no porão de um hotel de luxo, e os Estados Unidos sediados em outro hotel do outro lado da rua. O Irã se recusou a manter reuniões diretas com autoridades americanas.

Washington saiu do acordo em 2018, durante a gestão do então presidente Donald Trump, e voltou a impor sanções contra Teerã. O Irã respondeu em 2019 violando muitos dos limites do acordo sobre suas atividades nucleares.

“Não devemos esperar avanços nos próximos dias”, disse o embaixador da Rússia, Mikhail Ulyanov, junto ao órgão nuclear da ONU, a repórteres após uma reunião das demais partes que encerrou a terceira rodada de negociações. Ele foi a única autoridade a se dirigir aos repórteres.

“Precisamos simplesmente continuar o trabalho diplomático do dia a dia, e temos todos os motivos para esperar que o resultado final seja bem-sucedido e virá em breve, em algumas semanas”, disse, acrescentando que as negociações serão reiniciadas na sexta-feira (7).

A interrupção das negociações era amplamente esperada, já que diplomatas disseram que autoridades de vários países também estão envolvidas na reunião de chanceleres do Grupo dos Sete em Londres, que começa na segunda-feira (3) e termina na quarta-feira (5).

A Rússia geralmente é uma das vozes mais otimistas nas negociações. O conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Jake Sullivan, disse na sexta-feira (30) que as negociações estavam em “um lugar pouco claro”, o que significa que não havia certeza se levariam a um acordo.

Mais Recentes da CNN