Nitrato de amônio é controlado pelo Exército no Brasil e serve como fertilizante

Em pequenas quantidades e bem armazenado, o produto não é perigoso, mas para uso industrial ele requer uma série de cuidados

Pedro Duran, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Em seu estado em temperatura ambiente, o nitrato de amônio geralmente tem aparência de bolinhas brancas, sólidas, que se assemelham a remédios de homeopatia e são menores que pérolas.

Em pequenas quantidades e bem armazenado, o produto não é perigoso, mas para uso industrial ele requer uma série de cuidados. É preciso usar luvas, óculos e máscara de proteção, manter o produto afastado da roupa, manter afastado do calor e não armazenar com combustíveis, como gasolina, diesel e álcool.

O produto é transportado por caminhões do tipo bitrem, que carregam cerca de 40 toneladas do produto e por navios, que chegam a levar 30 mil toneladas. No Brasil, o nitrato de amônio chega importado por países como Rússia e Emirados Árabes.

Nas contas da Associação Brasileira das Indústrias de Tecnologia em Nutrição Vegetal (Abisolo), o Brasil importou cerca de um milhão de toneladas de nitrato de amônio em 2018. Ele é usado tanto para fertilização de plantas quanto para a mineração, em forma de explosivos pra ajudar nas escavações.

Pelo perigo do manuseio do nitrato de amônio, ele é considerado uma substância de “interesse militar”. Isso significa que a fabricação, transporte, comercialização e o uso do produto estão sujeitos ao controle do Exército. São os militares que dão a licença para as empresas que querem trazê-lo para o Brasil.

Outro problema dele é que os gases que saem da explosão são extremamente tóxicos — e as tentativas de abafar incêndios causados por ele podem acabar gerando mais explosões.

Assista e leia também:

Explosão no porto de Beirute, no Líbano, deixa quase 80 mortos

Físico da USP explica relação de nitrato de amônio com explosão no Líbano

Saímos do porto horas antes da explosão, diz almirante brasileiro no Líbano

O professor de química Emiliano Chemello afirma que a expansão dos gases gerados pelo aquecimento do nitrato de amônio explicam a gigante explosão.

“O curto circuito gerou um incêndio e esse incêndio elevou a temperatura onde estava armazenado 2750 toneladas de nitrato de amônio e fez com que esse nitrato de amônio sofresse uma decomposição. Essa decomposição vai gerar gás nitrogênio, gás oxigênio e vapor de água. Esses três gases como a reação libera calor, eles vão expandir, e essa expansão é o que explica a grande explosão que chocou o mundo inteiro”, diz.

Nitrato de amônio
Nitrato de amônio
Foto: Néctar Química/Reprodução

Mais Recentes da CNN