Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    O que sabemos sobre a autoria do bombardeio no hospital de Gaza?

    Dias depois da explosão que deixou centenas de mortos no Hospital Baptista Al-Ahli, não é possível ter certeza de quem é a responsabilidade pelo ataque

    Hospital atacado em Gaza
    Hospital atacado em Gaza Reprodução

    Rob Pichetada CNN

    Um dia depois da explosão mortal que atingiu o Hospital Baptista Al-Ahli, em Gaza, deixando centenas de mortos, os Estados Unidos divulgaram a sua própria avaliação do que causou o bombardeio.

    Israel apresentou evidências que, segundo o país, mostram que uma falha em um lançamento do grupo radical Jihad Islâmica causou a explosão. A Jihad Islâmica nega a responsabilidade.

    O presidente dos EUA, Joe Biden, reforçou essa explicação na quarta-feira, citando dados da inteligência dos EUA. Um porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos EUA disse que a análise de imagens aéreas, interceptações e informações de código aberto sugeria que Israel “não era responsável”.

    As autoridades palestinas e vários líderes de Estado árabes acusam, no entanto, Israel de atingir o hospital durante os ataques aéreos que o país vem disparando em Gaza há mais de uma semana.

    As centenas de mortos, dentre palestinos feridos, doentes e aqueles que usavam o hospital como abrigo das bombas, e as imagens das consequências sangrentas geraram protestos em todo o Oriente Médio.

    O que sabemos sobre a autoria do bombardeio até agora.

    O que aconteceu no hospital?

    O vídeo do momento da explosão no Hospital Batista Al-Alhi mostra o céu iluminado quando uma grande explosão irrompe nas dependências do hospital, lançando uma nuvem de chamas e fumaça no ar. No prédio, houve pânico.

    Veja o vídeo:

    Fadel Na’eem, chefe do departamento de ortopedia do hospital, disse que estava realizando uma cirurgia quando uma explosão ensurdecedora soou no hospital. Ele disse que o pânico se instalou quando os funcionários correram para a sala de cirurgia gritando por ajuda e relatando várias vítimas.

    Ele disse à CNN num vídeo gravado: “Acabei de terminar uma cirurgia e de repente ouvimos uma grande explosão, pensamos que era fora do hospital porque nunca pensamos que iriam bombardear o hospital”.

    Depois de sair da sala, o Na’eem disse que encontrou uma cena avassaladora. “Muitas pessoas foram decapitadas. Em todos os lugares havia grandes incêndios”, disse ele. “A equipe médica lutou para cuidar dos feridos e moribundos, mas a magnitude da devastação foi avassaladora. O número era grande, enorme, não podíamos fazer nada.”

    O Ministério da Saúde de Gaza disse que o número de mortos é superior a 400.

    O que israelenses e palestinos dizem?

    Autoridades palestinas culparam Israel pelo ataque na noite de terça-feira.

    O porta-voz das Forças de Defesa de Israel, Jonathan Conricus, disse à CNN na quarta-feira que “informações preliminares” tinham “evidências que apoiavam claramente o fato de que não pode ter sido uma bomba israelense”.

    Israel diz que sua inteligência mostra uma “falha no lançamento de um foguete” pelo grupo radical Jihad Islâmica foi responsável pela explosão. A Jihad Islâmica negou essas afirmações como “falsas e infundadas”.

    As Forças de Defesa de Israel também divulgaram um áudio no qual eles alegam ter capturado uma conversa entre dois agentes do Hamas, outro grupo radical islâmico, em que eles falavam sobre o lançamento de um foguete de um cemitério perto do hospital.

    De acordo com uma tradução da conversa feita pelo Exército israelense, um dos supostos agentes teria dito: “Estão dizendo que os estilhaços do míssil são estilhaços locais e não como os estilhaços israelenses”.

    A CNN não pode verificar a autenticidade das gravações.

    Na terça-feira, um vídeo postado pela conta oficial do Estado de Israel na rede social X, antigo Twitter, também foi apresentado como evidência de que o hospital havia sido atingido por foguetes disparados pelo grupo radical islâmico. No entanto, a marca de data e hora no vídeo não correspondia ao horário em que ocorreu a explosão, e o tweet foi posteriormente editado para remover o vídeo.

    O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores de Israel, Lior Haiat, disse à CNN: “Recebemos o vídeo, pensamos que era de uma fonte oficial, mas quando contatamos ela disse que obteve de outro lugar, então retiramos”.

    Na quarta-feira, autoridades em Gaza também alegaram que o Hospital Batista Al-Ahli foi danificado por dois projéteis israelenses quatro dias antes, e que Israel havia alertado a administração do hospital para evacuar as instalações.

    O que os EUA dizem?

    O governo dos EUA avalia atualmente que Israel “não foi responsável” pela explosão, de acordo com o Conselho de Segurança Nacional dos EUA.

    Biden, que estava fazendo uma visita a Israel na quarta-feira, disse ao primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, que os danos no hospital “parecem ter sido causados ​​pelo outro time, não por vocês”. “Mas há muitas pessoas por aí que não têm certeza, então temos muito, temos que superar muitas coisas”, acrescentou Biden.

    Autoridades disseram à CNN separadamente que as evidências iniciais coletadas pela comunidade de inteligência dos EUA sugerem que o ataque ao hospital veio de um foguete lançado pelo grupo Jihad Islâmica Palestina.

    Entre as evidências está uma análise da explosão que sugere que foi uma explosão terrestre, e não um ataque aéreo, que atingiu o hospital, disse uma das fontes. Não houve nenhuma cratera singular que sugerisse a existência de uma bomba, mas houve extensos danos causados ​​pelo fogo e detritos espalhados, o que é consistente com uma explosão iniciada no nível do solo, segundo a fonte.

    Ainda assim, a análise da explosão é apenas uma das coisas que estão sendo examinadas pela comunidade de inteligência, que enviou recursos para recolher informações na região.

    Como o mundo reagiu?

    Vários países expressaram horror pela perda de vidas no hospital e apelaram para a prudência na atribuição de culpas até que as circunstâncias se tornem claras.

    As Nações Unidas pediram uma investigação cuidadosa. Até que investigadores independentes consigam avaliar o incidente em detalhes, é improvável que o mundo saiba com certeza o que levou à explosão.

    Israel forneceu aos EUA informações que reuniu relacionadas à explosão mortal do hospital em Gaza, de acordo com um oficial israelense e outra fonte.

    Vários países árabes, incluindo a Arábia Saudita, a Jordânia, o Egito, os Emirados Árabes Unidos e o Iraque, emitiram declarações condenando Israel e acusando os seus militares de bombardearem o hospital.

    Milhares de manifestantes gritando slogans anti-Israel também tomaram as ruas no Líbano, Iraque, Jordânia, Kuwait, Egipto e Tunísia. Os protestos também abalaram a cidade ocupada de Ramallah, na Cisjordânia.