Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    O que sabemos sobre o míssil disparado pela Coreia do Norte

    Arma nuclear foi lançada sem aviso prévio e sobrevoou o norte do Japão

    Jessie YeungYoonjung SeoBrad Lendonda CNN

    A Coreia do Norte disparou um míssil balístico sem aviso no Japão, na segunda-feira (3), pela primeira vez em cinco anos. Um ato altamente provocativo e imprudente que marca uma escalada significativa em seu programa de testes de armas.

    O míssil sobrevoou o norte do Japão no início da manhã e acredita-se que tenha pousado no Oceano Pacífico. A última vez que a Coreia do Norte disparou um míssil balístico contra o Japão foi em 2017.

    Isso marca o 23º lançamento de mísseis balísticos da Coreia do Norte este ano, que também é o maior número de mísseis balísticos disparados em um único ano desde que o líder Kim Jong Un assumiu o poder em 2012.

    Em comparação, Pyongyang realizou quatro testes em 2020 e oito em 2021.

    O que sabemos sobre o míssil?

    O míssil percorreu uma distância de cerca de 4.600 quilômetros, com uma altitude de cerca de 1.000 quilômetros e uma velocidade máxima que atingiu Mach 17, que é 17 vezes a velocidade do som, segundo autoridades japonesas.

    Para efeito de comparação, o território insular norte-americano de Guam fica a apenas 3.380 quilômetros (2.100 milhas) da Coreia do Norte.

    Dois especialistas disseram à CNN que esses detalhes do voo sugerem que o míssil disparado provavelmente era um Hwasong-12, um míssil balístico de alcance intermediário (IRBM) testado pela última vez em janeiro.

    “Este é um míssil que a Coreia do Norte começou a testar em 2017… Portanto, não é realmente um míssil novo”, disse Jeffrey Lewis, diretor do Programa de Não Proliferação da Ásia Oriental do CNS.

    Mas, acrescentou, seu lançamento é significativo por causa da distância que pode percorrer. “A Coreia do Norte tem muitos mísseis que têm um alcance menor, e esses não passariam pelo Japão, mas eles têm um pequeno número de mísseis que podem fazer essa viagem”, disse ele.

    Por que isso é tão importante? Há perigo?

    A Coreia do Norte dispara rotineiramente seus mísseis nas águas da costa da península coreana, tornando esse voo sobre o Japão consideravelmente mais provocativo, tanto por razões práticas quanto simbólicas.

    Esse tipo de lançamento não anunciado pode apresentar riscos para aeronaves e navios à medida que o míssil viaja em direção ao seu alvo, pois eles não teriam aviso prévio para evitar a área. E se o teste tivesse falhado, fazendo com que o caminho do míssil ficasse aquém, poderia ter colocado em risco áreas populacionais significativas.

    O míssil sobrevoou a região de Tohoku, no Japão, de acordo com o secretário-chefe do gabinete japonês, Hirokazu Matsuno, que abriga mais de 8 milhões de pessoas.

    No passado, os aviões dos EUA foram aterrados como uma ‘precaução’ após o lançamento de mísseis norte-coreanos. E no final de novembro de 2017, foi relatado que vários pilotos de aviões comerciais viram o que parecia ser a reentrada de um míssil norte-coreano ao se aproximar do mar do Japão.

    No entanto, enfatizou Lewis, esses riscos são estatisticamente baixos, especialmente no Pacífico e muito acima do Japão durante o sobrevoo. É principalmente uma escalada simplesmente porque “é provocativo disparar um míssil contra seu vizinho”. “Especialmente para os japoneses, parece uma violação de sua soberania”, disse Lewis.

    “Se a Rússia disparasse um míssil sobre a Flórida, teríamos um ataque.”

    E, dizem os especialistas, é um sinal das ambições de Kim para o desenvolvimento de armas da Coreia do Norte e do que está por vir.

    Por que a Coreia do Norte disparou o míssil agora?

    Há opiniões divergentes sobre o que pode ter levado a Coreia do Norte a disparar o míssil na segunda.

    Robert Ward, membro sênior de Estudos de Segurança Japoneses no Instituto Internacional de Estudos Estratégicos, apontou para as múltiplas ameaças à segurança que o Japão enfrenta, desde uma Rússia agressiva ao norte e a China ao sul. “A Coreia do Norte pode estar tentando explorar a situação internacional instável, que pode ser vista como um vento a favor”, disse ele.

    Lewis discordou, dizendo que, embora a Coreia do Norte às vezes responda ou retalie ações específicas de atores ou grupos ocidentais, na maioria das vezes “eles têm seu próprio cronograma… e não acho que teremos muito impacto no calendário”.

    Há também razões práticas. A Coreia do Norte costuma fazer pausas nos testes durante o verão, quando o tempo está ruim, e recomeça assim que o outono e o início do inverno chegam, o que significa que agora podem ser as condições certas para um teste, acrescentou.

    Joseph Dempsey, pesquisador associado de defesa e análise militar do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos, acrescentou que a trajetória de voo de terça-feira poderia simplesmente servir como um teste melhor.

    Esses tipos de mísseis são destinados a alvos de longo alcance, portanto, voar sobre o Japão pode ajudar a Coreia do Norte a avaliar sua precisão a uma distância maior, sua capacidade de resistir a diferentes forças exercidas sobre o míssil e outros fatores, em comparação com seus usuais “elevados” testes, com mísseis viajando em altitudes mais altas e caindo em direção ao oeste do Japão.

    O que vem depois?

    Kim prometeu no início deste ano desenvolver as armas nucleares da Coreia do Norte na velocidade “mais alta possível”, e especialistas dizem que o lançamento de terça-feira é parte desse esforço para o avanço das armas.

    “A Coreia do Norte continuará a realizar testes de mísseis até que a atual rodada de modernização seja concluída”, disse Lewis, acrescentando que um teste nuclear pode ocorrer “a qualquer momento”.

    Autoridades sul-coreanas e norte-americanas alertam desde maio que a Coreia do Norte pode estar se preparando para um teste nuclear, com imagens de satélite mostrando atividade em seu local subterrâneo de testes nucleares.

    Se a Coreia do Norte realizar um teste, será o sétimo teste nuclear subterrâneo do país e o primeiro em quase cinco anos. Há também outros testes de mísseis para assistir.

    Além do Hwasong-12, a Coreia do Norte também possui três mísseis balísticos intercontinentais (ICBMs) capazes de sobrevoar o Japão, embora ainda não tenham sido testados “em todo o seu alcance”, disse Lewis. “Este é provavelmente um aperitivo antes do prato principal, que ainda está por vir”, acrescentou.

    “Espero que quando a Coreia do Norte ficar mais confiante em um de seus ICBMs, possa voar um deles a toda velocidade sobre o Japão”.

    Leif-Eric Easley, professor associado de estudos internacionais da Ewha Womans University em Seul, acrescentou que a Coreia do Norte pode estar esperando até que a China realize seu Congresso do Partido Comunista em meados de outubro para “fazer um teste ainda mais significativo”.

    “O regime de Kim está desenvolvendo armas como ogivas nucleares táticas e mísseis balísticos lançados por submarinos como parte de uma estratégia de longo prazo para superar a Coreia do Sul em uma corrida armamentista e criar uma barreira entre os aliados dos Estados Unidos”, disse Easley.

    (Com informações de Emiko Jozuka)

    Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

    versão original