O que você precisa saber sobre protestos convocados para 15 de novembro em Cuba

Governo cubano negou permissão para a marcha, alegando que aqueles que convocaram o protesto são financiados pelos Estados Unidos

Manifestantes contra o regime nas ruas de Havana
Manifestantes contra o regime nas ruas de Havana Reprodução/Reuters/

CNN Espanhol

Ouvir notícia

Ativistas cubanos estão preparando um protesto cívico para meados de novembro, cujos organizadores dizem que será realizado. O governo de Cuba já anunciou que não permitirá a manifestação.

A manifestação pretende exigir reformas democráticas no sistema político da nação caribenha, bem como a libertação de presos políticos.

O que você deve saber sobre os protestos marcados para 15 de novembro em várias cidades de Cuba e do mundo.

  • Por que os protestos acontecerão em Cuba?
  • Quando será o protesto?
  • Onde estarão os protestos?
  • O que diz o governo de Cuba?
  • O que dizem os Estados Unidos?
  • O que diz a constituição cubana sobre o direito de protestar?
  • Protestos de julho

Por que os protestos acontecerão em Cuba?

O líder de um grupo cívico denominado Archipiélago, Yunior García Aguilera, solicitou em setembro permissão para realizar uma marcha pacífica em Cuba em novembro “para exigir que todos os direitos de todos os cubanos sejam respeitados, pela libertação dos prisioneiros, políticos e pela solução de nossas diferenças por meios democráticos e pacíficos”, conforme explicou.

Em apoio ao seu plano de protesto, García Aguilera formou um grupo no Facebook com mais de 33.000 seguidores. Membros do grupo dizem que também são perseguidos por seu ativismo e reclamam de serem seguidos por agentes de segurança do Estado à paisana e de receber ameaças de funcionários do governo.

Os membros também acusam a empresa estatal de telecomunicações de Cuba de impedir os cubanos de enviar mensagens de texto com a palavra arquipélago em espanhol ou a data de seu planejado protesto, uma tática de censura há muito estabelecida na ilha.

A CNN Internacional confirmou de forma independente o bloqueio de mensagens. “Porque o cubano ficou em silêncio por muito tempo e é hora de ele falar livremente o que pensa”, disse García Aguilera à CNN.

Em um grupo fechado do Facebook , ativistas do Arquipélago afirmam que em Cuba há “violações sistemáticas dos direitos civis e políticos”, além do “agravamento da situação humanitária, que se evidencia na deterioração de todos os serviços públicos, da economia familiar e do continuação da gentrificação da população”.

Quando será o protesto?

Inicialmente, a data do protesto era 20 de novembro, mas García Aguilera passou para 15 de novembro, depois que o governo anunciou exercícios militares em toda a ilha no mesmo dia.

Onde estarão os protestos?

Enquanto os protestos estão programados para acontecer em Havana, os organizadores dizem que além da capital da ilha, ela se espalhará por sete províncias e será replicada em mais de 90 cidades ao redor do mundo.

O que diz o governo de Cuba?

O governo central negou permissão para a marcha, alegando que aqueles que convocaram o protesto são financiados pelos Estados Unidos.

“Os promotores [do protesto], suas projeções públicas e vínculos com organizações ou agências subversivas financiadas pelo governo dos Estados Unidos têm a intenção aberta de mudar o sistema político de nosso país”, disse o presidente cubano Miguel Díaz-Canel, em discurso perante o Comitê Central do Partido Comunista de Cuba em outubro.

A mídia estatal cubana já transmitiu imagens de milícias treinando com AK-47, e membros do “Comitê de Defesa da Revolução” patrulhando as ruas com cassetetes de metal.

“Há revolucionários suficientes aqui para enfrentar qualquer tipo de manifestação que pretenda destruir a revolução com inteligência”, disse Díaz-Canel.

Bandeira de Cuba
Bandeira de Cuba / Getty Images

Os organizadores da passeata afirmam que continuarão com o protesto.

“Vemos que eles conseguem violar até mesmo suas próprias leis. Não seria a primeira vez que o faziam. É assim que funciona”, disse García Aguilera a Camilo Egaña, da CNN.

“No entanto, estamos determinados, mesmo que joguem sujo, mesmo que violem as regras, mesmo que violem até as suas próprias leis, estamos dispostos a nos comportar de forma cívica e a avançar com a proposta porque a consideramos legítima, que não se faz há 62 anos e que é hora de conquistarmos esse espaço para os cubanos que pensam diferente”, acrescentou García Aguilera.

O que dizem os Estados Unidos?

Os Estados Unidos rejeitaram a decisão do governo cubano de negar permissão para um “protesto pacífico”.

“Ao se recusar a permitir tais manifestações, o regime cubano demonstra claramente que não está disposto a honrar ou defender os direitos humanos e as liberdades fundamentais dos cubanos”, disse o Departamento de Estado em um comunicado de 16 de outubro.

“O regime cubano não está atendendo às necessidades mais básicas do povo. Isso inclui comida. Isso inclui remédios. Agora é uma oportunidade de ouvir o povo cubano e fazer uma mudança positiva”, disse o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Preço.

O governo Biden alertou o governo cubano que, se impedir a marcha, a ilha poderá enfrentar novas sanções econômicas.

O que diz a constituição cubana sobre o direito de protestar?

Funcionários do governo insistem que a constituição da ilha dá aos cubanos o direito de protestar, mas, na prática, as manifestações são rapidamente interrompidas pela polícia e os críticos do governo são acusados ​​de serem “mercenários” a serviço do inimigo de Cuba na Guerra Fria.

“Ter opiniões diferentes, inclusive políticas, não é crime”, disse Rubén Remigio Ferro, presidente da Corte Suprema do Povo Cubano, em entrevista coletiva em julho, logo após os protestos. “Pensar diferente, questionar o que está acontecendo, demonstrar não é crime”.

A proibição da manifestação de 15 de novembro está baseada na presunção de crime nos manifestantes de querer mudar o caráter socialista do sistema cubano, “irrevogável”, segundo o artigo 4 da Constituição.

No entanto, o presidente do Supremo Tribunal Popular diz que o direito de manifestação, “longe de constituir um crime, constitui um direito constitucional do povo”, escreveu Jorge Dávila Miguel numa coluna da CNN.

Protestos de julho

Em 11 de julho, milhares de cubanos saíram às ruas para protestar contra a falta de alimentos e remédios, enquanto o país atravessa uma grave crise econômica agravada pela pandemia da Covid-19 e as sanções dos Estados Unidos.

Muitos gritaram “liberdade” e pediram a renúncia do presidente Díaz-Canel.

Segundo o jornalista Jorge Dávila Miguel, colaborador da CNN, esse protesto foi espontâneo, mas o que acontecerá no dia 15 de novembro será planejado, anunciado e rejeitado. Mas ainda assim, será feito.

“Então aqui há uma contradição entre o que é permitido pela constituição e as leis. Agora, o que o governo defende é que essas marchas são para derrubar o governo, o que não é verdade, esse não é o propósito da marcha”, disse Dávila Miguel.

Segundo o grupo Cubalex, que monitora as questões jurídicas na ilha, pelo menos 1.175 cubanos foram presos após as manifestações de 11 de julho.

Enquanto funcionários do governo disseram ter detido manifestantes que atacaram a polícia e saquearam lojas, dezenas de pessoas disseram que foram violentamente presas por marcharem pacificamente ou simplesmente por filmarem os protestos.

(*Esse texto foi traduzido. Clique aqui para ler original em inglês)

Mais Recentes da CNN