Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Passagem de Rafah é a última esperança dos habitantes de Gaza para escapar da guerra; entenda

    Único ponto de entrada ou saída da Faixa de Gaza que Israel não controla, a passagem está fechada impedindo a saída de civis e a entrada de ajuda humanitária

    Passagem de fronteira de Rafah vista pelo lado do Egito
    Passagem de fronteira de Rafah vista pelo lado do Egito 16/10/2023REUTERS/Stringer

    Abbas Al LawatiMohammed Abdelbaryda CNN*

    Centenas de milhares de palestinos desceram ao sul da Faixa de Gaza à medida que uma potencial operação terrestre israelense se aproxima. Mas para onde eles irão a depois, ninguém sabe.

    O enclave costeiro está bloqueado por terra, ar e mar por Israel, que declarou guerra contra o Hamas após um ataque terrorista em 7 de outubro que matou ao menos 1.400 pessoas. Israel também cortou o fornecimento de água, eletricidade, alimentos e combustível, deixando desamparados os 2 milhões de habitantes do empobrecido território.

    Uma passagem de fronteira com o Egito, no sul, tem sido apontada como a última esperança para os habitantes de Gaza escaparem à medida que as bombas de Israel caem, e muitos palestinos começaram a se dirigir nesta direção.

    Essa passagem em Rafah, entretanto, está fechada. Aqui está o que sabemos sobre isso.

    Qual é a situação em Rafah agora?

    A passagem está atualmente fechada e a ajuda humanitária não consegue entrar em Gaza.

    Os Estados Unidos têm pressionado o Egito para estabelecer um corredor humanitário para civis em Gaza, bem como para estrangeiros. O Egito disse que não permitirá que refugiados invadam o seu território e, em vez disso, insistiu que Israel permitisse entregar ajuda aos habitantes de Gaza.

    A abertura da fronteira pode ser uma questão complicada, dado o número de partes envolvidas. Seria necessária a aprovação do Egito e do Hamas, que controlam diretamente a passagem, bem como a aprovação de Israel, que tem bombardeado Gaza, incluindo as vizinhanças de Rafah. O Egito exigiu garantias de que Israel não bombardeará comboios de ajuda humanitária.

    Vários ataques aéreos foram relatados em torno da passagem de Rafah desde o início da guerra, incluindo um na terça-feira (16). Questionado sobre o atentado, o porta-voz das Forças de Defesa de Israel (FDI), tenente-coronel Richard Hecht, disse na terça-feira: “Quando virmos os alvos do Hamas se movendo, cuidaremos disso”.

    Dezenas de caminhões estão no lado egípcio da travessia esperando para entrar em Gaza. O Egito disse que não houve progresso nos esforços para abri-la e Israel negou que houvesse quaisquer acordos para a sua abertura.

    Por que a travessia é tão importante neste momento?

    Localizada no norte do Sinai, no Egito, a passagem de Rafah é a única passagem de fronteira entre Gaza e o Egito. Ela fica ao longo de uma cerca de 12,8 quilômetros que separa Gaza do deserto do Sinai.

    Gaza mudou de mãos várias vezes nos últimos 70 anos. Caiu sob controle egípcio na guerra árabe-israelense de 1948 e foi capturada por Israel na guerra de 1967, após a qual Israel começou a estabelecer judeus lá e restringiu significativamente o movimento de seus residentes palestinos. Em 2005, Israel retirou as suas tropas e colonos do território e, dois anos depois, a faixa foi tomada pelo Hamas.

    Palestino espera na passagem de fronteira de Rafah, entre a Faixa de Gaza e o Egito / Abed Rahim Khatib/aliança de imagens via Getty Images

    Desde então, Egito e Israel impuseram controles rigorosos nas suas respectivas fronteiras com o território e Israel o bloqueia ainda mais, restringindo as viagens marítimas ou aéreas. Israel circundou o território com uma cerca fronteiriça muito fortificada.

    Antes da guerra iniciada neste mês, Israel tinha duas travessias com Gaza: Erez, que é para circulação de pessoas, e Kerem Shalom, para mercadorias. Ambas eram fortemente restritas e estão fechadas desde o início da guerra.

    Isso deixou a passagem de Rafah, com o Egito, como a única porta de entrada do território para o mundo exterior.

    De acordo com dados das Nações Unidas, uma média de 27 mil pessoas cruzaram a fronteira todos os meses até julho deste ano. A fronteira esteve aberta durante 138 dias e fechada durante 74 deste ano até aquele mês.

    Os fechamentos dependem muitas vezes da situação política e de segurança no terreno. Embora Israel não tenha controle direto sobre a travessia, os fechamentos no Egito coincidem frequentemente com o próprio reforço das restrições a Gaza por parte de Israel.

    Como o acesso à passagem de Rafah mudou ao longo do tempo?

    Israel e o Egito assinaram um tratado de paz em 1982, que viu o Estado judeu retirar-se da Península do Sinai, que havia capturado do Egito em 1967.

    Israel abriu então a passagem de Rafah, que controlou até se retirar de Gaza, em 2005. Entre 2005 e a tomada de Gaza pelo Hamas, em 2007, a passagem foi controlada pela União Europeia, que trabalhou em estreita colaboração com as autoridades egípcias.

    Arte CNN

    Entre 2005 e 2007, cerca de 450 mil pessoas utilizaram a travessia, com uma média de cerca de 1.500 indivíduos por dia.

    Após a tomada do poder pelo Hamas, Egito e Israel reforçaram significativamente as restrições à circulação de mercadorias e pessoas dentro e fora do território. Mas em 2008, militantes explodiram fortificações na fronteira com o Egito, perto de Rafah, levando pelo menos 50 mil habitantes de Gaza a invadirem o Egito para comprar alimentos, combustível e outras mercadorias.

    Pouco depois, o Egito selou a sua barreira com arame farpado e barricadas de metal.

    Desde então, a passagem de Rafah tem sido rigorosamente controlada, com acesso limitado e longos processos burocráticos e de segurança exigidos aos palestinos que desejam atravessar para o Egito.

    Como é normalmente cruzar a fronteira de Rafah?

    O movimento através de Rafah em dias normais é extremamente limitado: apenas os habitantes de Gaza com autorização, bem como os cidadãos estrangeiros, podem utilizá-la para viajar entre Gaza e o Egito.

    Os habitantes de Gaza que desejam cruzar a fronteira muitas vezes enfrentam longas esperas. Jason Shawa, um palestino-americano de Seattle que mora em Gaza, diz que o processo levou no mínimo 30 dias, mas o tempo de espera pode durar até três meses.

    Os viajantes necessitam de uma autorização de saída do Hamas e de uma autorização de entrada do Egito, disse ele. O processo exige que ele apresente seus documentos a um escritório do governo do Hamas para obter autorização para sair do território. Poucos dias depois, ele receberia uma mensagem de texto informando em que dia poderia sair, o que poderia ser até três meses depois.

    No dia da partida, um ônibus levaria os viajantes do lado palestino da fronteira para o egípcio, onde esperariam horas até que as autoridades egípcias recebessem e processassem os pedidos de visto. Muitos viajantes são rejeitados lá e mandados de volta, disse Shawa, acrescentando que os palestinos são regularmente maltratados lá.

    Caminhões com ajuda humanitária para os palestinos aguardam a reabertura da passagem de Rafah para entrar em Gaza / 16/10/2023 REUTERS/Stringer

    Por que o Egito está relutante em abrir a passagem aos habitantes de Gaza?

    O Egito, que já acolhe milhões de imigrantes, está preocupado com a perspectiva de centenas de milhares de refugiados palestinos atravessarem para o seu território. Mais de 2 milhões de palestinos vivem em Gaza.

    O presidente egípcio, Abdel Fattah el-Sisi, disse na semana passada que o seu país está tentando ajudar –dentro dos limites.

    “Claro, nós simpatizamos. Mas tenha cuidado, embora simpatizemos, devemos sempre usar a nossa mente para alcançar a paz e a segurança de uma forma que não nos custe muito”, disse ele.

    Muitos também se irritaram com a ideia de transformar mais uma vez a população de Gaza em refugiados, deslocando-os de Gaza. A maioria dos habitantes de Gaza são registrados pela ONU como refugiados, cujos antepassados vieram de áreas que hoje fazem parte de Israel.

    O Egito apelou a Israel para permitir a entrada de ajuda humanitária através de Rafah, mas ainda não cedeu aos apelos dos EUA para estabelecer um corredor seguro para civis dentro do território egípcio.

    *Com informações de Nadeen Ebrahim, da CNN.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original