Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Por que alpinistas escalam o Everest apesar dos cadáveres na montanha?

    Cerca de 300 pessoas receberam permissão do governo do Nepal para subir a montanha este ano

    Himalaia, Monte Everest, Vale Khumbu, Nepal
    Himalaia, Monte Everest, Vale Khumbu, Nepal John Harper

    Kara Nelsonda CNN

    Nuvens espessas e escuras enchem o céu, com ventos gelados transportando neve a mais de 160 quilômetros por hora. A temperatura gelada de -34ºC, nevascas e avalanches aumentam o risco de morte de quem escala a maior montanha do mundo.

    Estas são as condições típicas da montanha mais alta do mundo: o Monte Everest.

    O gigante se eleva a 8.849 metros entre o Nepal e o Tibete, nos Himalaias, com seu pico ultrapassando a maioria das nuvens no céu.

    Uma tentativa de escalar o Everest requer meses, às vezes anos, de treinamento e condicionamento – mesmo assim, chegar ao cume está longe de ser garantido. Na realidade, mais de 300 pessoas já morreram na montanha.

    E, no entanto, a montanha ainda atrai centenas de alpinistas que estão determinados a atingir o pico a cada primavera. Aqui está o que é necessário para fazer a escalada e o que motivou alguns alpinistas a chegar ao cume mais alto do mundo.

    “Achei que estava em muito boa forma”

    Dr. Jacob Weasel, um cirurgião de trauma, escalou com sucesso o Everest em maio passado, após condicionamento por quase um ano.

    “Eu colocava uma mochila de 50 quilos e passava duas horas subindo escadas sem problemas”, disse Weasel à CNN. “Então, pensei que estava em muito boa forma.” No entanto, o cirurgião disse que ficou impactado ao descobrir que seu condicionamento físico não era páreo para o elevado nível atlético exigido pela montanha.

    “Eu dava cinco passos e levava de 30 segundos a um minuto para recuperar o fôlego”, Weasel relembrou sua luta com a falta de oxigênio disponível enquanto subia o Everest.

    Os alpinistas que almejam o cume geralmente praticam uma rotação de aclimatação para ajustar os pulmões aos níveis cada vez menores de oxigênio quando chegam à montanha. Este processo envolve montanhistas viajando até um dos quatro acampamentos designados no Everest e passando de um a quatro dias lá antes de descer.

    Essa rotina é repetida pelo menos duas vezes para permitir que o corpo se adapte ao declínio dos níveis de oxigênio, o que aumenta as chances de sobrevivência para a chegada ao cume.

    “Se você pegasse alguém e simplesmente o jogasse no alto acampamento do Everest, nem mesmo no (topo), ele provavelmente entraria em coma dentro de 10 a 15 minutos”, disse Weasel.

    “Eles morreriam em uma hora porque seu corpo não está ajustado a esses níveis baixos de oxigênio.”

    Embora Weasel tenha escalado com sucesso dezenas de montanhas, incluindo Kilimanjaro com 5.895 metros, Chimborazo (6.263), Cotopaxi (5.896 metros) e, mais recentemente, Aconcágua (6.960 metros) em janeiro, ele disse que nenhum deles se compara a altitude do Monte Everest.

    “Porque não importa o quão bem você seja treinado, uma vez que você chega aos limites do que o corpo humano pode suportar, é simplesmente difícil”, continuou ele.

    Na altitude mais elevada, o Everest é quase incapaz de sustentar a vida humana e a maioria dos montanhistas utiliza oxigênio suplementar acima de 7.000 metros de altitude. A falta de oxigênio representa uma das maiores ameaças aos alpinistas que tentam chegar ao cume, onde os níveis caem para menos de 40% quando atingem a “zona da morte” do Everest.

    Jacob Weasel, cirurgião americano que escalou o Everest / Arquivo pessoal

    “É difícil sobreviver lá em cima”

    O primeiro alvo para os montanhistas é o acampamento base do Everest, a aproximadamente 5.200 metros, levando cerca de duas semanas. Depois sobem aos três acampamentos restantes estacionados ao longo da montanha.

    O acampamento quatro, o último antes do cume, fica ao longo da borda da zona da morte, a 7.924 metros, expondo os alpinistas a uma camada de ar extremamente fina, temperaturas abaixo de zero e ventos fortes, poderosos o suficiente para derrubar uma pessoa da montanha.

    “É difícil sobreviver lá em cima”, disse Weasel à CNN. Ele se lembra de ter passado por corpos de alpinistas que morreram na montanha — o que não é incomum. Os corpos dos montanhistas caídos estão bem preservados, apresentando pouca ou nenhuma decomposição devido ao frio intenso.

    “Provavelmente estou mais familiarizado com a morte e a perda de vidas do que a maioria das pessoas”, disse o cirurgião. “Para mim foi apenas um lembrete da gravidade da situação e da fragilidade do que é a vida, ainda mais uma motivação para valorizar a oportunidade.”

    O edema cerebral de alta altitude (HACE) é uma das doenças mais comuns que os escaladores enfrentam ao tentar chegar ao cume. “Seu cérebro está sem oxigênio”, disse Weasel.

    O HACE resulta no inchaço do cérebro durante a tentativa de recuperar níveis estáveis de oxigênio, causando sonolência, dificuldade para falar e pensar. Esta confusão é frequentemente acompanhada por visão turva e episódios esporádicos de delírio.

    “Tive alucinações auditivas em que ouvia vozes [de amigos] que pensei virem de trás de mim”, lembrou Weasel. “E tive alucinações visuais”, acrescentou. “Eu estava vendo os rostos dos meus filhos e da minha esposa saindo das rochas.”

    Weasel se lembra de ter cruzado o caminho de uma amiga, Orianne Aymard, que ficou presa na montanha devido a um ferimento. “Lembro-me de olhar para ela por uns cinco minutos e apenas dizer: ‘Sinto muito’”, disse Weasel.

    “Passei mais de uma década da minha vida treinando para ajudar as pessoas como cirurgião, e estando em uma posição onde há alguém que precisa de sua ajuda e você é incapaz de oferecer qualquer assistência… Esse sentimento de desamparo foi difícil de lidar, ” Weasel disse à CNN.

    Aymard sobreviveu. Ela foi resgatada e sofreu vários ossos quebrados no pé, além de queimaduras graves nas mãos. Apesar de todos os ferimentos, Aymard é considerada uma das sortudas.

    Montanhistas caminham até o acampamento base do Everest, no Nepal / Kriangkrai Thitimakorn

    “Seus corpos ficarão congelados na montanha”

    O Everest é há muito tempo um túmulo para alpinistas que sucumbiram às condições adversas ou aos acidentes nas suas encostas.

    Quando um ente querido ou um colega alpinista fica gravemente ferido ou morre na montanha, é rotina deixá-lo para trás se não for possível salvá-lo, de acordo com Alan Arnette, treinador de montanhismo que escalou o Everest em 2014.

    “O que a maioria das equipes faz por respeito ao alpinista é tirar o corpo da vista”, disse ele. E isso só se eles puderem.

    “Às vezes isso simplesmente não é prático por causa do mau tempo ou porque seus corpos ficarão congelados na montanha”, disse Arnette à CNN. “Então, é muito difícil movê-los.”

    Ver um cadáver no Everest é comparável a ver um terrível acidente de carro, segundo o treinador da montanha.

    “Você não se vira e vai para casa”, disse Arnette. “Você respeitosamente diminui o ritmo ou faz uma oração por aquela pessoa e então continua.”

    Já se passaram 10 anos desde o acidente mais mortal na montanha mais alta do mundo, depois que uma avalanche matou 12 guias sherpas. E 2023 foi registado como o ano mais mortal no Everest, com 18 mortes na montanha – incluindo cinco pessoas que ainda estão desaparecidas.

    O processo de recuperação de corpos é extenso, por vezes impossível. Os resgates por helicóptero e as missões de busca são desafiadores devido à grande altitude e às condições frequentemente traiçoeiras, resultando na morte de alguns socorristas na tentativa de salvar outros.

    Alpinista do Nepal bate recorde com 27 escaladas ao Monte Everest / Reprodução/Instagram

    “Assistir ao nascer do sol a 8.800 metros”

    A subida de 914 metros do acampamento quatro até o cume pode levar de 14 a 18 horas. Portanto, os montanhistas normalmente deixam o acampamento à noite.

    “Aquela noite inteira foi fria”, lembra Weasel. “Está escuro, está ventando.” Mas provou-se que valeu a pena pela manhã, disse ele.

    “Assistir ao nascer do sol a quase 9.000 metros e ter aquela pirâmide da sombra do Everest projetada no vale abaixo de você…”, disse Weasel à CNN. “Foi provavelmente uma das coisas mais lindas que já vi na minha vida”, continuou ele.

    “É estranho estar lá em cima e saber que todo o resto do planeta está abaixo de onde você está.”

    O tamanho da montanha é humilhante, disse o cirurgião. “Nunca me senti tão pequeno”, lembrou ele. “Essa mistura de humildade e conexão com algo maior do que você é o lugar adequado a partir do qual devemos abordar a nossa existência neste planeta.”

    Assim como Weasel, Arnette subiu ao cume ao nascer do sol e experimentou a mesma sensação de “pequenez”. No topo havia “mais montanhas do que você pode contar”, lembrou Arnette. “Foi um sentimento de enorme gratidão e ao mesmo tempo eu sabia que tinha que voltar atrás.”

    Após cerca de 20 minutos a uma hora, os escaladores normalmente começam a descer de volta à base da montanha.

    “Maior que você mesmo”

    Antes de partir para o Nepal, Weasel recebeu uma pena de águia como um farol para sua herança nativa americana.

    Ele estava determinado a plantar a pena no topo do Everest “como um símbolo do nosso povo e do que sofremos nas últimas centenas de anos”, disse Weasel à CNN. “Mostrar que nosso espírito não está quebrado, mas que somos capazes de superar as coisas que nos aconteceram”, acrescentou.

    “Lembro-me de ter plantado aquela pena de águia no topo do mundo e do sentimento de verdadeiro privilégio que senti ao representar o nosso povo.” E foi por isso que ele decidiu escalar o Everest, para ser um exemplo de que tudo é possível para as crianças nativas e sua cultura.

    “Sabendo como é lá em cima, para mim pessoalmente, a única justificativa real para ir e colocar sua vida, e outras vidas, em risco é se você estiver escalando por um motivo muito maior do que você”, disse Weasel.

    Arnette tentou escalar o Everest três vezes antes de chegar ao cume com sucesso.

    “Nas minhas três primeiras tentativas, não entendi bem o porquê”, disse Arnette. Quando sua mãe foi diagnosticada com doença de Alzheimer, ele olhou para o propósito de escalar de forma diferente.

    “Eu queria fazer isso para arrecadar dinheiro para o Alzheimer e homenagear minha mãe”, disse Arnette.

    Cerca de 300 pessoas receberam permissão do governo do Nepal para escalar a montanha este ano, segundo Arnette. E ele disse que o número caiu em relação aos anos anteriores.

    “Acho que uma das razões é porque tivemos 18 mortes no ano passado e as pessoas perceberam que o Monte Everest é uma montanha perigosa.”

    No entanto, ele não acredita que isso deva impedir os alpinistas de tentarem chegar ao cume. “Acredito piamente que quando você escala essas montanhas, você volta para casa como uma versão melhor de si mesmo”, disse Arnette à CNN.

    “O Everest tornou-se muito comercializado com ‘você está pisando em cadáveres’ e ‘está cheio de lixo’”, disse o treinador de montanha. “A realidade é que tudo isso é um grau muito pequeno, mas há muita alegria que as pessoas sentem ao fazer isso”, continuou ele.

    “E é por isso que escalamos montanhas”, finalizou.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original