Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Por que casas na Flórida estão desmoronando no oceano; entenda

    Existem três fatores principais que contribuem para a situação perigosa da costa; veja

    Reuters

    Rachel Ramirezda CNN

    Casas e prédios estão desmoronando no oceano e as autoridades emitiram alertas para as pessoas deixarem algumas áreas enquanto o ciclone tropical Nicole empurra um enorme volume de água do oceano para a costa sudeste da Flórida.

    Um vídeo do condado de Volusia mostra casas desmoronando, reduzidas a escombros, enquanto as ondas de Nicole corroem a costa. Outra gravação mostra o escritório de segurança da praia do condado desmoronando devido à subida das águas.

    “Neste momento, o marco zero está aqui”, disse o xerife do condado de Volusia, Mike Chitwood, à afiliada da CNN WESH-TV na quarta-feira (9), quando Nicole atingiu a terra como um furacão de categoria 1.

    Existem três fatores principais que contribuem para a situação perigosa da costa.

    A tempestade do ciclone Nicole, que atingiu o pico de 1,8 metros na quinta-feira (10) de manhã, é significativa dada a sua magnitude quando se aproximou da Flórida na quarta-feira (9) com ventos com força de tempestade tropical se estendendo por mais de 800 quilômetros.

    Esse swell chegou à praia em marés excepcionalmente altas associadas à lua cheia desta semana. E por trás de tudo isso, o nível do mar nesta parte da Flórida subiu mais de 30 centímetros nos últimos 100 anos, segundo dados da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA, na sigla em inglês), e a maior parte desse aumento ocorreu nas últimas três décadas.

    Cientistas e pesquisadores há muito tempo alertam que o aumento do nível do mar está causando mais erosão e inundações devido às marés altas, especialmente durante tempestades costeiras extremas. Isso está pressionando ainda mais os diques, que devem proteger as comunidades costeiras das ondas altas e do aumento do nível da água.

    Brian McNoldy, pesquisador associado da Escola de Ciências Marinhas e Atmosféricas da Universidade de Miami, explicou à CNN que o aumento do nível do mar aumenta gradualmente a pressão sobre os diques. “Mais e mais deles são gradualmente, completamente submersos em água salgada, coisa que o concreto não gosta”. 

    McNoldy também apontou que essas paredes estão envelhecendo e que a natureza consecutiva das tempestades está tornando os diques mais vulneráveis. Apenas seis semanas atrás, a tempestade do furacão Ian erodiu partes da costa leste da Flórida.

    “Você não precisa de uma tempestade forte, apenas marés altas ou agitadas que arrastam ou colocam estresse extra nas paredes”, disse ele. “Ao ter essas duas tempestades com seis semanas de intervalo, se você não der tempo para reparar ou reabastecer, cada tempestade definitivamente deixa sua marca”.

    Muitas comunidades costeiras dos Estados Unidos sofrem regularmente inundações de marés. O aumento do nível do mar, causado pelo aumento da temperatura da água e pelo derretimento de geleiras e camadas de gelo, aumenta os perigos aos quais os moradores costeiros estão expostos.

    A NOAA informou em 2019 que, até 2050, os EUA sofrerão de 25 a 75 dias de inundações na maré alta. Além disso, as tempestades de furacões estão aumentando, e as casas e outras infraestruturas críticas agora estão expostas à água salgada e à erosão em comparação com algumas décadas atrás.

    Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

    versão original