Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Precisamos de cessar-fogo imediato em Gaza, diz subsecretário-geral da ONU

    À CNN Rádio, Jorge Moreira da Silva afirmou que à medida que o tempo passa “as condições para impedir o pior” estão diminuindo

    Caminhões com ajuda humanitária de ONGs egípcias para os palestinos aguardam a reabertura da passagem de Rafah, do lado do Egito
    Caminhões com ajuda humanitária de ONGs egípcias para os palestinos aguardam a reabertura da passagem de Rafah, do lado do Egito 17/10/2023REUTERS/Stringer

    Amanda Garciada CNN

    O subsecretário-geral da ONU Jorge Moreira da Silva defende a necessidade de um cessar-fogo imediato na Faixa de Gaza.

    À CNN Rádio, ele afirmou que as condições “para impedir o pior” estão diminuindo à medida que o tempo passa: “Estamos todos preocupados.”

    Jorge Moreira da Silva também é diretor-executivo do Escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos (UNOPS) e disse ter presença em Gaza.

    “Apoiamos a população em projetos de energia e saúde e, neste momento, estamos vivendo situação de crise humanitária com escala significativa”, disse.

    Ele lembra que, desde o início do conflito entre Israel e o Hamas, mais de 6 mil pessoas foram mortas, sendo 2 mil crianças.

    “É essencial que não se bombardeie locais de civis e fazer entrar toda a ajuda disponível com a abertura de corredores humanitários”, defendeu.

    De acordo com Jorge, “temos alimentos, água e medicamentos para atender às necessidades imediatas, mas precisamos de um ritmo de mais de 100 caminhões por dia.”

    “E não basta os caminhões entrarem, é preciso garantir segurança para que funcionários humanitários das agências façam a distribuição”, completou.

    Leia mais: Confrontos entre Israel e Hezbollah causam incêndio no sul do Líbano

    O subsecretário-geral reforçou a necessidade da entrada também de combustíveis, tanto para dessalinizar a água, quanto para abastecer os hospitais.

    “A agência da ONU para refugiados palestinos já informou que o sistema de saúde entrou em colapso por não haver energia nos hospitais”, alertou.

    *Com produção de Isabel Campos