Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Premiê de Israel sobre processo de paz com a Palestina: “Vamos ter que viver juntos”

    Em entrevista à CNN, Benjamin Netanyahu falou sobre os conflitos no Oriente Médio; confira

    Primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu
    Primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu 03/01/2023Atef Safadi/Pool via REUTERS

    Tara JohnRob Pichetada CNN

    O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, falou sobre os conflitos com a Palestina em entrevista com Jake Tapper, da CNN.

    “Quando efetivamente o conflito árabe-israelense (chegar) ao fim, acho que voltaremos aos palestinos e obteremos uma paz viável com os palestinos”, disse ele.

    Questionado por Tapper sobre as preocupações do governo Biden de que os assentamentos na Cisjordânia ocupada pudessem exacerbar as tensões, Netanyahu apontou para o sucesso dos Acordos de Abraham da era Trump, que normalizaram as relações entre Israel e vários países árabes.

    “Eu contornei eles (palestinos), fui diretamente aos estados árabes e criei um novo conceito de paz… crieiquatro acordos de paz históricos, os Acordos de Abraham, que é o dobro do número de acordos de paz que todos os meus predecessores em 70 anos se combinaram”.

    Seus comentários vêm em um momento tenso para Israel. Palestinos e israelenses sofreram um terrível derramamento de sangue na semana passada, e crescem os temores de que a situação saia do controle.

    A quinta-feira da semana passada foi o dia mais mortal para os palestinos na Cisjordânia ocupada em quase dois anos, seguido por um tiroteio perto de uma sinagoga de Jerusalém na noite da última sexta-feira – que Israel considerou um de seus piores ataques terroristas nos últimos anos.

    O governo Biden defendeu uma solução de dois estados para o conflito israelense-palestino, mas houve muito pouco movimento e aparentemente poucos esforços ativos em direção a esse objetivo por parte de Netanyahu ou dos líderes palestinos.

    Analistas dizem que os Acordos de Abraham também fizeram pouco para moderar a posição de Israel sobre os palestinos.

    Quando questionado sobre qual concessão Israel concederia aos territórios palestinos, Netanyahu respondeu: “Bem, certamente estou disposto a que eles tenham todos os poderes de que precisam para se governar. Mas nenhum dos poderes que poderiam ameaçar (nós) e isso significa que Israel deve ter a responsabilidade primordial de segurança”.

    Há esperanças de que a viagem do secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, a Israel e à Cisjordânia esta semana ajude a esfriar as tensões crescentes.

    Mas ambas as administrações parecem estar em lados opostos da moeda quando se trata de assentamentos israelenses.

    Netanyahu prometeu nesta semana que Israel “fortaleceria” os assentamentos em resposta aos ataques a tiros em Jerusalém, uma posição contra a qual Blinken advertiu na terça-feira.

    Quando perguntado sobre as preocupações dos EUA de que a expansão dos assentamentos israelenses em terras palestinas poderia prejudicar as perspectivas de paz, Netanyahu disse: “Bem, eu discordo totalmente”.

    Relações complicadas

    Biden e Netanyahu têm um relacionamento complicado, especialmente sobre o Irã.

    Netanyahu entrou em conflito com o ex-presidente dos EUA, Barack Obama, sobre as negociações com os palestinos, e novamente mais abertamente sobre o acordo nuclear com o Irã – no qual Biden gostaria de entrar novamente.

    Netanyahu explicou sua posição sobre o Irã para Tapper, dizendo: “Se você tem regimes desonestos que (pretendem obter) armas nucleares, pode assinar 100 acordos com eles, isso não ajuda”.

    “Acho que a única maneira de parar ou abster-se de obter armas nucleares é uma combinação de sanções econômicas incapacitantes, mas o mais importante é uma ameaça militar confiável”, disse ele.

    O Irã disse que seu programa nuclear é apenas para fins pacíficos e que interrompeu formalmente seu programa de armas, mas autoridades dos EUA alertaram que as atividades de enriquecimento de urânio do Irã foram muito além dos parâmetros do fracassado acordo nuclear de 2015 desde que o ex-presidente dos EUA, Trump, saiu dele.

    Na semana passada, o chefe da Agência Internacional de Energia Atômica alertou que Teerã acumulou material suficiente para “várias armas nucleares” e pediu esforços diplomáticos para reiniciar para evitar tal cenário.

    Outro ponto de discórdia entre os aliados dos EUA tem sido a posição ambivalente de Israel em relação à Ucrânia. Desde a invasão da Ucrânia pela Rússia, Israel vem realizando um ato de equilíbrio diplomático nas relações com Moscou.

    Embora tenha condenado oficialmente a invasão e regularmente envie ajuda à Ucrânia, Israel ainda não enviou armas aos ucranianos e foi criticado por não ser mais contundente em suas críticas à Rússia.

    Israel não quer incomodar a Rússia quando a força aérea israelense está tentando atingir alvos na fronteira com a Síria.

    Israel lançou centenas de ataques contra seu vizinho nos últimos anos, principalmente com o objetivo de interromper o fornecimento do Irã de tecnologia de mísseis guiados de precisão ao Hezbollah.

    Netanyahu referenciou esse cenário complicado a Tapper, acrescentando que Israel está “tomando medidas contra o desenvolvimento de certas armas” no Irã.

    No entanto, ele se recusou a confirmar ou negar se Israel estava por trás de ataques de drones em uma instalação militar na cidade de Isfahan, no centro do Irã, no fim de semana.

    “Eu nunca falo sobre operações específicas… e toda vez que alguma explosão ocorre no Oriente Médio, Israel é culpado ou responsabilizado – às vezes somos nós, às vezes não somos”.

    Gabinete mais de direita

    A ampla entrevista tocou nas preocupações sobre o gabinete de Netanyahu, descrito como o mais religioso e de extrema direita da história do país, que já enfrentou tensões internas e protestos públicos generalizados.

    A coalizão de governo de Netanyahu conta com o apoio de várias figuras políticas nacionalistas, antes relegadas à margem da política israelense.

    Netanyahu descartou as preocupações sobre a retórica e as ações inflamatórias desses membros, dizendo: “Tenho minhas duas mãos no volante”.

    Pressionado sobre algumas dessas declarações extremas – incluindo relatos de que o ministro das Finanças, Bezalel Smotrich, se descreveu como um “homófobo fascista” – Netanyahu disse: “Bem, muitas pessoas dizem muitas coisas quando não estão no poder. Eles meio que se temperam quando chegam ao poder. E esse é certamente o caso aqui”.

    Netanyahu acusou os críticos de hipocrisia e de não usar uma lente semelhante contra seus antecessores, acrescentando: “Olha, estou controlando o governo e sou responsável por suas políticas, e as políticas são sensatas e responsáveis, e continuam a ser que”.

    O seis vezes primeiro-ministro também rejeitou as críticas à pressão de seu governo por reformas judiciais, que dariam ao parlamento (e, por extensão, aos partidos no poder) a capacidade de anular as decisões da suprema corte, nomear juízes e remover dos ministérios conselheiros jurídicos cuja assessoria jurídica é obrigatório.

    Isso ocorre depois que ele foi forçado a demitir o principal aliado Aryeh Deri de seus cargos ministeriais, depois que o Supremo Tribunal decidiu que não era razoável nomear o líder do partido Shas para cargos no governo devido a suas condenações criminais. Netanyahu disse a Tapper que acreditava que as mudanças “tornariam a democracia mais forte”.

    Seu país tem visto manifestações contínuas contra as reformas judiciais, atraindo dezenas de milhares de israelenses às ruas em janeiro.

    Enquanto isso, Netanyahu continua enfrentando acusações em três casos separados em um julgamento de corrupção de longa duração que o persegue politicamente. Ele negou repetidamente todas as acusações contra ele e descreveu o julgamento como uma “caça às bruxas”.

    Quando questionado se havia verdade nas alegações de que Netanyahu estava tentando anular o judiciário devido a seus próprios interesses, ele disse “isso é falso. Nenhuma das reformas de que estamos falando… tem algo a ver com meu julgamento.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original