Presidente do Quirguistão renuncia após pressão: ‘Não quero atirar nos cidadãos’

Sooronbai Jeenbekov justificou a decisão dizendo que queria evitar confrontos entre as forças de segurança e os manifestantes que pedem a saída dele do cargo

Sooronbai Jeenbekov justificou a decisão de renunciar dizendo que queria evitar confrontos entre as forças de segurança e os manifestantes
Sooronbai Jeenbekov justificou a decisão de renunciar dizendo que queria evitar confrontos entre as forças de segurança e os manifestantes Foto: Sultan Dosaliev - 04.out.2020 / Serviço de Imprensa da Presidência do Quirguistão via Reuters

Da CNN

Ouvir notícia

O presidente do Quirguistão, Sooronbai Jeenbekov, renunciou nesta quinta-feira (15) após três dias de agitações no país em razão de uma disputada eleição. O mandatário justificou a decisão dizendo que queria evitar confrontos entre as forças de segurança e os manifestantes que pedem a saída dele do cargo.

Com isso, Jeenbekov é o terceiro presidente da pequena nação da Ásia Central a ser derrubado por uma revolta popular.

O Quirguistão, aliado da Rússia que faz fronteira com a China, vive dias turbulentos desde as eleições parlamentares de 4 de outubro – rejeitadas pela oposição, que as considerou fraudulentas, depois que os aliados de Jeenbekov foram declarados os vencedores.

Assista e leia também:
Manifestantes invadem parlamento do Quirguistão e libertam ex-presidente
Tailândia emite decreto de emergência para reprimir protestos contra o governo

Em um comunicado, o presidente afirmou que teme que possa haver violência se os manifestantes ameaçarem marchar no complexo presidencial.

“As forças militares e de segurança serão obrigadas a usar as armas para proteger a residência do estado. Sangue será inevitavelmente derramado. Peço aos dois lados que não caiam em provocações”, disse Jeenbekov. “Não quero entrar para a história do Quirguistão como um presidente que derramou sangue e atirou nos próprios cidadãos.”

Nessa quarta (14), ele aceitou a escolha do Parlamento de Sadyr Japarov, um nacionalista cujos partidários o libertaram da prisão na semana passada, como primeiro-ministro. Japarov e apoiadores pediam a renúncia do mandatário.

Pressão para renunciar

Após a eleição, manifestantes opositores tomaram ruas e edifícios do governo, levando as autoridades a anular o pleito. Na semana passada, Jeenbekov anunciou que planejava renunciar, mas não disse quando. 

Nesta semana, ele afirmou que ficaria no cargo até a realização de uma nova eleição. Contudo, os apoiadores de Japarov rejeitaram essa opção e o pressionaram para renunciar imediatamente.

Com a saída de Jeenbekov, o presidente do Parlamento, Kanatbek Isayev, é quem vai assumir as funções presidenciais. Caso ele também renuncie – como também pedem os manifestantes –, os poderes serão passados a Japarov.

O Quirguistão conta com uma base militar russa e uma grande mina de ouro de posse do Canadá. O país se tornou independente após o fim da União Soviética, em 1991. O primeiro presidente na nova era foi Askar Akayev, deposto por uma revolta popular em 2005. Ele foi sucedido por Kurmbanbek Bakiyev, derrubado de forma semelhante em 2010.

(Com Reuters)

Mais Recentes da CNN