Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Produtores de queijo parmesão na Itália sofrem com seca

    "Geralmente nunca sou pessimista ou alarmista, mas desta vez devemos ser alarmistas", disse especialista à CNN

    A areia no rio Pó pode ser vista perto da cidade de Mantova
    A areia no rio Pó pode ser vista perto da cidade de Mantova Barbie Nadeau/CNN

    Barbie Latza NadeauLivia Borgheseda CNN

    Em São Paulo

    Ouvir notícia

    A principal artéria que corta o coração da Itália, onde 30% de seus alimentos são produzidos, é o rio Pó, com 650 quilômetros de extensão, que serpenteia dos Alpes até o Mar Adriático, na costa nordeste da Itália. Um inverno e uma primavera secos podem ter colocado o rio em apuros neste ano.

    O “Grande Rio”, como é conhecido, desempenha um papel fundamental na história da nação. Antes que as pontes fossem construídas, suas águas profundas protegiam civilizações de ambos os lados de invasores que não podiam atravessar.

    Em anos posteriores, cidades e indústrias brotaram em suas margens e utilizaram a água para energia hidrelétrica, transporte e irrigação. Ao longo de algumas seções do rio Pó, as usinas de processamento transformam o rio lamacento em água potável.

    O Pó é alimentado pela neve do inverno nos Alpes e chuvas fortes na primavera, que muitas vezes levam a inundações devastadoras. Em um café perto das margens do rio, na cidade de Mantova, uma escala de medição na parede indica o quão alto a água subiu. Em 1951, quase chegou ao teto.

    Mas em 2022, as coisas são muito diferentes. Um inverno excepcionalmente seco fez com que o derretimento da neve fosse escasso, e as chuvas de primavera foram esporádicas, o que levou à pior seca nas regiões do norte da Itália em mais de 70 anos, confirmou uma agência regional do rio Pó.

    Como resultado, o Pó está atingindo níveis recordes de baixa de água, de acordo com a Agência Espacial Europeia. Uma animação da missão do satélite Copernicus Sentinel-2 da agência revela como o rio “encolheu significativamente” entre junho de 2020 e junho de 2022.

    Animação do satélite Copernicus Sentinel-2 mostra como o rio Pó “diminuiu significativamente entre junho de 2020 e junho de 2022 / CNN

    E isso é um grande problema para os milhões de pessoas que dependem do Pó para sua subsistência. A salinização do Mar Adriático começou a transformar sua água doce em um veneno inutilizável para as plantações. Amostras recentes mostram água salgada a mais de 20 quilômetros para o interior e, à medida que o rio desce, o mar continuará a preencher o vazio.

    Massimiliano Fazzini, chefe do Departamento de Risco Climático da Sociedade Italiana de Geologia Ambiental, diz que no atual ano hidrológico, que começou em 1º de dezembro, a bacia do rio Pó tem um déficit hídrico de cerca de 45% a 70% em algumas áreas.

    “Geralmente nunca sou pessimista ou alarmista, mas desta vez devemos ser alarmistas”, disse ele à CNN, citando a diferença na queda média de neve — de 7,5 metros em anos normais, para 2,5 metros este ano. Juntamente com o aumento das temperaturas que significam que os reservatórios que podem ser acessíveis em um ano de seca não estão em sua capacidade máxima. “A situação é crítica e só pode piorar”, disse ele.

    Leite do fazendeiro Simone Minelli é usado na produção do queijo autêntico Parmigiano Reggiano / Livia Borghese/CNN

    Na fazenda de gado leiteiro de Simone Minelli, ao longo das margens do rio perto de Mantova, a perspectiva é sombria. A água é uma parte essencial da operação para alimentar seu rebanho de 300 bovinos Friesian, disse ele à CNN.

    Suas vacas leiteiras produzem 30 litros (6,6 galões) de leite por dia, que é transformado no autêntico queijo parmesão Parmigiano Reggiano desta região. Se suas vacas não beberem entre 100 e 150 litros (22 a 33 galões) de água por dia ou estiverem superaquecidas, o leite não atenderá aos padrões rígidos e o queijo não receberá o cobiçado selo de aprovação.

    Mas uma preocupação maior do que a água em seus bebedouros é o que elas vão comer. Minelli usa principalmente água do Pó para irrigação de plantações que usa na alimentação de seu gado. Ele mostrou à CNN um campo de soja que não foi irrigado e está sofrendo com plantas pequenas e murchas que não nutrem o rebanho.

    Ele está preocupado com as restrições à água enquanto observa o nível do Pó cair ainda mais – e onde comprará comida, caso outros produtores também não estejam conseguindo colher o alimento. “Estou muito preocupado, levamos isso dia a dia”, disse ele. “Se você não tem comida suficiente para alimentar seu gado, você tem que reduzir”, disse ele, referindo-se ao número de vacas em seu rebanho.

    Simone Minelli está preocupado sobre como alimentará seu gado de 300 vacas Friesian / Barbie Nadeau/CNN

    No consórcio Parmigiano Reggiano, nas proximidades, seu leite é misturado com o de 20 outros produtores de leite para produzir 52.000 rodas do queijo cobiçado a cada ano. Se o leite secar, o queijo não será feito.

    Mais acima no rio, Ada Giorgi mostrou à CNN a casa de bombas operada pelo consórcio que ela presidiu por 20 anos. O consórcio teve que pagar para remover a areia do leito do rio para que as bombas não fiquem entupidas, disse ela, e acrescentou um metro de tubo para baixar ainda mais as bombas se o nível da água continuar caindo. A água da casa de bombas alimenta um labirinto de canais que levam a centros de irrigação e plantas de processamento.

    Os 150.000 clientes do consórcio ainda estão recebendo água, mas ao olhar para o nível do Pó, Giorgi diz estar preocupada com o futuro. “A última vez que o rio estava baixo foi em 2003”, disse ela à CNN. “Desta vez é muito, muito pior. Há falta de chuva, neve e altas temperaturas”, disse ela. “Cria a famosa tempestade perfeita. Estamos em crise extrema.”

    Se não chover — e nenhuma chuva significativa está prevista no futuro próximo — as coisas só vão piorar. Na cidade de Milão, centro financeiro da Itália, o prefeito ordenou que todas as fontes ornamentais fossem desligadas e proibiu a lavagem de e veículos, ou rega de jardins e gramados.

    Produção de Parmigiano Reggiano pode ser vista em uma fábrica perto de Mantova / Livia Borghese/CNN

    Na pequena cidade de Castenaso, perto de Bolonha, cabeleireiros e barbeiros são proibidos de lavar o cabelo dos clientes duas vezes na tentativa de economizar água, antes que os suprimentos fiquem muito baixos.

    Enquanto isso, uma onda de calor extenuante atingiu grande parte do sul da Itália desde maio.

    Os cientistas chamam a região do Mediterrâneo de um ponto crítico da crise climática. A crise causada pelo homem tornou as ondas de calor mais frequentes e intensas ali, e levou a menos chuvas no verão. Espera-se que as temperaturas sejam entre 20% e 50% mais quentes do que a média global, e as secas piorarão em meados do século, mesmo que o mundo diminua suas emissões de gases de efeito estufa. Se as emissões continuarem em níveis muito altos, as secas e os incêndios florestais se tornarão tão graves que a continuidade da agricultura será difícil. O turismo também se tornará menos atraente.

    A Itália é um exportador líquido de alimentos, fornecendo bens como trigo para muitas nações em desenvolvimento. Uma seca na região está apenas exacerbando uma crise alimentar que está sendo sentida de forma aguda nas partes mais pobres do mundo. E o rio Pó tem um significado gigante para os italianos.

    O autor Tobias Jones, cujo livro “O Pó – Um Elogio ao Maior Rio da Itália” traça a história do rio, seguindo toda a extensão para capturar sua importância. Ele diz que o Pó é para a Itália o que o Tâmisa é para Londres, ou o Mississippi é para os Estados Unidos.

    “Durante séculos, a preocupação era com a inundação do rio, mas as mudanças climáticas significaram que o rio agora corre o risco de secar”, disse ele à CNN.

    “Não é apenas um rio, é parte da psique nacional. As cidades ao longo dele atraem turismo e indústria. Era quase um fosso para o centro da Itália que o mantinha a salvo de invasores. Agora está ameaçado e ninguém sabe o que fazer para salvá-lo.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN