Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Rússia está desenvolvendo laços com a Coreia do Norte em todas as áreas, diz Kremlin

    Ministra das Relações Exteriores da Coreia do Norte se reuniu com o presidente Vladimir Putin em Moscou

    Vladimir Putin e ministra norte-coreana Choe Son Hui em Moscou
    Vladimir Putin e ministra norte-coreana Choe Son Hui em Moscou 16/1/2024 Sputnik/Artem Geodakyan/Pool via REUTERS

    Da Reuters

    A Rússia está desenvolvendo relações com a Coreia do Norte em todas as áreas, incluindo as “sensíveis”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, nesta quarta-feira (17).

    A ministra das Relações Exteriores da Coreia do Norte elogiou os laços de camaradagem com a Rússia na terça-feira e, em seguida, manteve raras conversas com o presidente Vladimir Putin, no Kremlin, em Moscou.

    Putin foi convidado por Kim Jong Un para visitar a Coreia do Norte.

    Questionado sobre as conversas em Moscou, Peskov disse que a situação na península coreana foi discutida, mas que o foco principal foi o desenvolvimento de relações bilaterais.

    “A República Popular Democrática da Coreia é nosso parceiro muito importante, e estamos focados no desenvolvimento de nossas relações em todas as áreas, inclusive em áreas sensíveis”, disse Peskov aos repórteres.

    Putin estreitou os laços com a Coreia do Norte desde que enviou tropas para a Ucrânia em 2022, e os Estados Unidos e seus aliados condenaram o que dizem ter sido entregas significativas de mísseis norte-coreanos à Rússia para ajudar em seu esforço de guerra.

    Tanto a Rússia quanto a Coreia do Norte rejeitaram repetidamente as críticas. Moscou afirma que desenvolverá laços com os países que desejar e que sua cooperação com Pyongyang não viola os acordos internacionais.

    A Rússia fez o possível para divulgar a retomada da relação, incluindo os laços militares, com a Coreia do Norte, que foi formada em 1948 com o apoio da então União Soviética.

    Para Putin, que diz que a Rússia está envolvida em uma batalha existencial com o Ocidente por causa da Ucrânia, cortejar Kim permite que ele alfinete Washington e seus aliados asiáticos e, ao mesmo tempo, garanta um grande suprimento de artilharia para a guerra na Ucrânia.