Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Saiba o que Lula e o primeiro-ministro britânico vão discutir na véspera da coroação do rei Charles III

    Rishi Sunak vai abrir sua agenda para uma reunião bilateral com o presidente brasileiro

    Américo Martinsda CNN

    Em Londres

    O primeiro-ministro do Reino Unido, Rishi Sunak, vai receber o presidente Luiz Inácio Lula da Silva para uma reunião bilateral em Londres na semana que vem.

    O encontro deve acontecer na próxima sexta-feira, dia 5 de maio, véspera da coroação do rei Charles III, segundo fontes diplomáticas dos dois países ouvidas pela CNN.

    O pedido para a reunião foi feito pela diplomacia brasileira, depois da confirmação de que Lula vai comparecer como convidado à cerimônia de coroação do rei na histórica Abadia de Westminster.

    O fato de Sunak abrir sua agenda para receber o presidente na véspera da coroação de Charles III mostra a importância que o governo britânico dá à nova agenda diplomática brasileira.

    Várias dezenas de chefes de estado e de governo virão a Londres para a cerimônia, mas poucos terão a chance de um encontro bilateral com Sunak.

    O primeiro-ministro deve participar de várias reuniões coletivas, por exemplo com chefes de governo da Commonwealth, a comunidade britânica de nações.

    Meio ambiente e guerra

    A reunião entre os dois líderes vai acontecer na sede do governo britânico, em 10 Downing Street.

    A guerra na Ucrânia e a defesa do meio ambiente e enfrentamento das mudanças climáticas estarão entre os principais assuntos da agenda.

    Sunak e Lula têm visões muito diferentes sobre o conflito, sendo que os britânicos têm uma rivalidade com a Rússia que antecede em muitos anos a guerra na Ucrânia.

    O Reino Unido é o segundo país que mais contribui com o esforço de guerra ucraniano, depois dos Estados Unidos –incluindo treinamento aos soldados de Kiev.

    O governo de Sunak tem uma postura muito dura contra Moscou e acredita que a paz terá mais chances de ser alcançada com uma vitória militar ucraniana. Já Lula, deve voltar a explicar a posição independente do país e a defesa de um esforço de paz entre países que não estejam envolvidos na guerra.

    Os líderes encontrarão muito mais convergências com relação às mudanças climáticas, um tema prioritário na agenda diplomática dos dois países.

    O Reino Unido já indicou que poderá participar do Fundo Amazônia, financiado por países estrangeiros para proteger a floresta. Sunak também deverá confirmar que os britânicos vão apoiar a realização da COP-30, em 2025, na cidade de Belém.

    Caso a candidatura do Brasil seja confirmada, esta será a primeira vez que uma conferência mundial do clima vai acontecer na Amazônia.

    O presidente Lula, inclusive, já convidou o rei Charles III, durante uma conversa por videoconferência entre os dois, em março, para comparecer ao evento.

    Relações bilaterais e bitributação

    Por fim, os dois chefes de governo vão conversar obviamente sobre as relações bilaterais.

    Segundo os dois lados, existe muito espaço para um avanço nas relações comerciais. Em 2022, segundo dados do Ministério da Indústria e Comércio, a balança comercial entre os dois países movimentou apenas US$ 6,45 bilhões. E o Reino Unido é apenas o vigésimo parceiro comercial do Brasil.

    Uma das medidas que ajudaria muito no comércio e nos investimentos britânicos no Brasil é a questão da bitributação.

    Os dois países já chegaram a um acordo para implementar, finalmente, depois de vários anos de conversas, um acordo que evite essa bitributação. O texto, no entanto, precisa ser aprovado pelos respectivos parlamentos.

    Na semana passada, a presidente da Câmara de Comércio Brasil Reino Unido, Ana Paula Vitelli, conversou com a CNN e afirmou que essa é uma das prioridades da entidade para este ano de 2023.

    Ao participar de um evento empresarial em Londres, Vitelli pediu especificamente ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, que tentasse aprovar o quanto antes a medida.

    Pacheco disse publicamente que vai tentar dar celeridade à discussão da lei no Congresso.