Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Seca e calor matam mil cavalos no Cazaquistão e ameaçam sustento de fazendeiros

    Especialista diz que chuvas devem ocorrer no inverno, mas mudanças climáticas colocam a agricultura em risco

    Olzhas Auyezov, da Reuters, em Akshymyrau, em Cazaquistão

    Ouvir notícia

     

    Cavalos mortos estão espalhados pela estepe árida da península de Mangistau, no Cazaquistão, onde uma seca severa deixou os animais sem comida ou água, ameaçando a subsistência de centenas de fazendeiros.

    Temperaturas excepcionalmente altas, em alguns casos as mais altas já registradas, foram relatadas em toda a região ex-soviética da Ásia Central neste verão, levando o Cazaquistão a proibir as exportações de ração animal e buscar água extra de seus vizinhos.

    Em Mangistau, isso significa que os cavalos não têm nada para pastar e os preços do feno e da cevada disparam. Alguns agricultores rasgam o papelão molhado em pedaços para misturar com a ração para um volume extra.

    A carne de cavalo e o leite de égua fermentado são alimentos básicos da dieta do Cazaquistão e os cavalos de criação, junto com os camelos, são uma ocupação tradicional em Mangistau.

    Gabidolla Kalynbayuly, 70, trabalhou como pastor de ovelhas antes de se aposentar em 2002 e estabelecer uma fazenda de cavalos em Akshymyrau, um vilarejo de cerca de 1.300 habitantes.

    Mas 20 dos cavalos de Kalynbayuly já morreram neste verão, reduzindo o rebanho para 150, e muitos foram enfraquecidos pela desnutrição, tornando-os vulneráveis a parasitas e doenças.

    “Quando eles morrem lá no campo, não podemos nem mesmo trazê-los de volta à aldeia para relatar a morte”, disse ele.

     

    O pasto na área já havia sido ruim nos últimos três anos, disse ele, mas até o calor extremo deste ano, ainda havia grama suficiente para os cavalos se alimentarem.

    Um repórter da Reuters viu dezenas de cavalos mortos durante uma viagem pela área. As costelas de cavalos emaciados ainda vivos são claramente visíveis.

    A província de Mangistau como um todo registrou mais de 1.000 mortes de cavalos, gado e ovelhas e o governo disse que está enviando cevada para a área.

    Além do aumento das temperaturas globais, Mangistau está se tornando mais suscetível à seca, porque o Mar Cáspio, pelo qual é quase cercado, está se tornando mais raso, diz o cientista ambiental Orynbasar Togzhanov, baseado na capital da província, Aktau, no litoral.

    “Há vazantes e vazantes, mas o mar não atingiu seu antigo nível máximo de água nos últimos 100 anos”, disse ele.

    Svetlana Dolgikh, chefe de estudos climáticos do meteorologista Kazgidromet, disse que as temperaturas médias no Cazaquistão aumentam 0,3 graus Celsius a cada década.

    Pode haver alguns aspectos positivos temporários, disse ela, como mais chuva e neve no inverno nas regiões de cultivo de grãos do norte do Cazaquistão previstas por todos os modelos atuais, mas a agricultura como um todo é considerada em risco pelas mudanças climáticas.

    Mais Recentes da CNN