Sem retomada de comércio, Coreia do Norte enfrenta turbulência na economia

Norte-coreanos têm visto altas significativas nos preços de itens básicos; crise aumenta 'situação tensa' de escassez de alimentos

Líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un
Líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un Foto: KCNA via Reuters (7.mar.2021)

Reuters

Ouvir notícia

As taxas de câmbio e os preços das commodities parecem estar flutuando descontroladamente na Coreia do Norte, já que a retomada do grande comércio com a China não se materializou, segundo informações da mídia e avaliações de analistas.

A turbulência no mercado está aumentando as dificuldades para os norte-coreanos que enfrentam escassez de alimentos.

Após uma recuperação constante nos primeiros meses do ano, as exportações da China para a Coreia do Norte em maio caíram para US$ 2,71 milhões, ante US$ 28,75 milhões em abril, anulando as esperanças dos comerciantes ao longo da fronteira de que após mais de um ano de fechamento por causa do coronavírus poderia ser aliviado em breve.

A Coreia do Norte é altamente insular e é difícil identificar a real situação dentro do país. Mas relatos nesta semana de que a China, seu maior aliado, planeja manter as restrições à pandemia de fronteira por pelo menos mais um ano lançaram dúvidas sobre as perspectivas da Coreia do Norte.

Em algumas áreas, isso parece estar entre os fatores que desencadearam uma volatilidade significativa nas taxas de câmbio e nos preços de alguns bens essenciais.

“As oscilações nos preços do combustível e do câmbio são provavelmente causadas pela situação do comércio exterior”, disse Peter Ward, especialista em economia da Coreia do Norte.

O Daily NK, um site com sede em Seul que acompanha esses indicadores na Coreia do Norte há anos, relatou nesta terça-feira (22) que o won da Coreia do Norte subiu 15-20% em relação ao dólar americano e ao renminbi da China no espaço de cerca de uma semana.

As oscilações parecem impulsionadas em parte por organizações e indivíduos norte-coreanos vendendo seus dólares e yuans porque o esperado reinício do comércio China-Coreia do Norte não se concretizou, informou o site, citando fontes no país.

“Depois de anos de relativa estabilidade, as oscilações violentas nos preços e nas taxas de câmbio internas nos últimos dias ameaçam elevar o nível de desespero popular e podem tornar mais difícil a reabertura do comércio com a China”, informou um relatório dos Estados Unidos, que rastreia a Coreia do Norte.

Na última semana, o líder norte-coreano Kim Jong Un disse que a economia do país melhorou este ano, mas pediu medidas para enfrentar a situação “tensa” dos alimentos causada pela pandemia do coronavírus e pelos tufões do ano passado.

A mídia estatal noticiou que o governo iria produzir e distribuir mais grãos para o povo.

Prédio em Pyongyang, capital da Coreia do Norte
Prédio em Pyongyang, capital da Coreia do Norte
Foto: gfs_mizuta/ Pixabay/ Reprodução

O Daily NK informou que os preços do milho e do arroz em algumas das principais cidades do país, incluindo Pyongyang, caíram depois que os residentes locais receberam comidas do governo. Mas algumas outras áreas viram os preços disparar para suprimentos básicos, relata o site.

No início deste ano, alguns artigos importados reapareceram nas prateleiras das lojas em Pyongyang à medida que as restrições na fronteira pareciam diminuir, mas os preços dispararam novamente, disse uma fonte ocidental com contatos na cidade.

Alguns xampus estão sendo vendidos por US$ 200 o frasco e um quilo de bananas por US $ 45, informou a NK News, que monitora a Coreia do Norte, na última semana.

“Pelo que podemos aprender através da Asia Press e Daily NK, a situação dos alimentos fora de algumas cidades importantes está muito ruim”, disse Ward. “Se essas tendências continuarem, teremos que começar a nos preocupar com a fome e até mesmo a inanição entre os mais pobres da Coreia do Norte”.

(Reportagem de Josh Smith; informações adicionais de Sangmi Cha; edição de Raju Gopalakrishnan)

Mais Recentes da CNN