Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Sobe para 55 o número de mortos em enchentes na China

    Mudanças climáticas agravaram fenômenos climáticos extremos no país

    Defesa Civil retira moradores de área alagada na China
    Defesa Civil retira moradores de área alagada na China CCTV via Reuters

    Ethan WangElla CaoRyan Wooda Reuters

    O número de mortes confirmadas após duas semanas de chuvas torrenciais em uma das áreas mais atingidas no sul da China saltou de nove para 55 nesta sexta-feira (21).

    As chuvas desta semana na cidade de Meizhou, na província de Guangdong, provocaram inundações repentinas e deslizamentos de terra que destruíram milhares de casas térreas, danificaram estradas e colheitas e interromperam as comunicações e o fornecimento de energia.

    Duas pessoas continuam desaparecidas no condado de Pingyuan, em Meizhou, informou a agência de notícias estatal CCTV.

    O sul da China foi atingido por uma quantidade incomum de chuvas nos últimos dias, após o início da estação anual de inundações mais cedo do que o normal.

    A precipitação acumulada em Pingyuan atingiu 1.221,6 milímetros desde 4 de abril, mais que o dobro da quantidade normal no mesmo período dos anos anteriores, disse a CCTV.

    As mortes durante as cheias anuais de verão na China diminuíram drasticamente em relação aos milhares de casos registados todos os anos na década de 1990, em decorrência do reforço das medidas de controle das cheias, como as barragens.

    No entanto, as condições meteorológicas extremas dos últimos anos, incluindo precipitações recorde, tornaram a China vulnerável a inundações intensas e a catástrofes como deslizamentos de terra súbitos, muitas vezes nas suas zonas montanhosas.

    A tarefa de controlar as inundações na China está se tornando cada vez mais árdua, disse o presidente Xi Jinping na terça-feira (18), apelando por esforços para salvaguardar vidas enquanto fortes tempestades assolam as províncias do sul da China.

    O Centro Meteorológico Nacional da China disse nesta sexta-feira (21) que um tufão poderia se formar durante o fim de semana e afetar áreas costeiras no sul do país.

    Desastres naturais causaram perdas econômicas diretas de US$ 3,27 bilhões apenas no primeiro trimestre deste ano.