Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Terremoto no Marrocos foi o mais forte a atingir região em mais de um século, diz órgão

    Centenas de pessoas morreram; autoridades pediram doação de sangue à população

    Da CNN

    O terremoto de magnitude 6,8 que atingiu o Marrocos na sexta-feira (8) foi o tremor mais forte a atingir a região central da nação norte-africana em mais de um século, segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos.

    Ao menos 820 pessoas morreram e outras 670 ficaram feridas, segundo a emissora estatal Al-Aoula.

    “Terremotos deste tamanho na região são incomuns, mas não inesperados. Desde 1900, não houve terremotos M6 (de magnitude 6) e maiores num raio de 500 km deste terremoto, e apenas nove terremotos M5 (magnitude 5) e maiores”, pontuou o órgão.

    O epicentro do terremoto ocorreu a uma profundidade de 18,5 km, a cerca de 72 km a nordeste de Marrakech, pouco depois das 23h, no horário local (19h de Brasília), de acordo com o serviço geológico dos EUA.

    O órgão também diz que “o desastre é potencialmente generalizado”, observando que muitas pessoas na área residem em estruturas que são “altamente vulneráveis ​​a tremores de terra”.

    Resgate tem dificuldade e autoridade pede doação de sangue

    As equipes de resgate no Marrocos estão tendo dificuldade para chegar às áreas mais afetadas pelo terremoto que atingiu o país, porque as estradas próximas estão danificadas e bloqueadas, informou a TV estatal Al Aoula.

    Enquanto isso, o Centro de Transfusão de Sangue e Hematologia do Marrocos pediu à população que doe sangue para ajudar as vítimas.

    Segundo o órgão, o número de feridos e o tipo de ferimentos significam que as bolsas de sangue serão necessárias o mais rápido possível.

    Equipe da CNN em Marrakech descreve cena “absolutamente chocante”

    Benjamin Brown, membro da equipe da CNN que estava em Marrakech quando ocorreu o terremoto, disse que demorou um pouco para que as pessoas nas proximidades entendessem o que estava acontecendo.

    Ele afirmou que ele e outras pessoas deixaram o hotel depois de sentir os tremores e se dirigiram para um terreno aberto. No início, segundo Brown, a maioria das pessoas – incluindo algumas ainda de pijama – parecia calma.

    “E então, alguns minutos depois, os gritos começaram”, lembrou ele.

    O pânico tomou conta quando as pessoas começaram a notar seus ferimentos, disse Brown, que falou por telefone à redação da CNN com Michael Holmes.

    “Alguns deles pareciam ter ferimentos graves na cabeça com muito sangue, na verdade, tão graves que pelo menos em um caso uma ambulância teve que recusar uma mulher ferida, porque estavam com capacidade total”, pontuou.

    Posteriormente, muitas pessoas decidiram acampar durante a noite, disse Brown. “Cena absolutamente chocante para Marrakech”, acrescentou.

    Havia muitos edifícios parcialmente destruídos, alguns com os telhados arrancados e as janelas de vidro quebradas, relatou Brown, e partes das muralhas históricas de Marrakech estavam desmoronando.

    Muralhas históricas danificadas

    O terremoto danificou partes das muralhas históricas de Marrakech, de acordo com a TV estatal Al Aoula do país.

    As fortificações são um conjunto de muralhas defensivas que circundam os bairros históricos de Marrakech e foram construídas pela primeira vez no início do século XII.

    *publicado por Tiago Tortella, da CNN

    Mais Recentes da CNN

    Mais Recentes da CNN