Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Uma em cada 13 pontes nos EUA estão em condições precárias e podem desmoronar com colisão

    Infraestrutura envelhecida, impactos das condições climáticas e navios cada vez maiores são alguns dos fatores que contribuem para a situação

    Colisão de navio de carga com ponte de Baltimore, nos Estados Unidos
    Colisão de navio de carga com ponte de Baltimore, nos Estados Unidos WBAL via CNN Newsource

    Nathaniel Meyersohnda CNN

    Um navio de contêineres que colidiu com a Francis Scott Key Bridge em Baltimore está chamando a atenção para as possíveis vulnerabilidades de algumas das mais de 600.000 pontes dos Estados Unidos.

    A Key Bridge permaneceu de pé por 47 anos e, durante esse tempo, nunca recebeu o tipo de sacudida que alguém poderia imaginar que a derrubaria. Mas quando o Dali, um navio que pesava mais de 100.000 toneladas, se chocou contra ela, a ponte caiu em menos de um minuto.

    Embora esse colapso catastrófico possa não ter sido totalmente previsível, os colapsos de pontes como resultado de colisões não são totalmente inéditos, e esse pode ter sido evitável.

    As recentes inspeções federais de segurança da Key Bridge constataram que ela está em condições “razoáveis”, e o governador de Maryland disse que a ponte estava “totalmente dentro dos padrões”. Mas milhares de pontes nos EUA estão em más condições.

    Nos Estados Unidos, 46.000 pontes têm estruturas envelhecidas e estão em condições “ruins”, e 17.000 correm o risco de desabar com um único impacto, segundo a Sociedade Americana de Engenheiros Civis e o governo federal.

    Eventos climáticos extremos, caminhões cada vez mais pesados e colisões de navios porta-contêineres maiores representam riscos significativos para as pontes dos EUA, segundo engenheiros e outros especialistas em infraestrutura.

    Infraestrutura envelhecida

    Os estados inspecionam as pontes rodoviárias dos EUA pelo menos uma vez a cada dois anos e as classificam como “boas”, “regulares” ou “ruins”. Uma ponte considerada em condições ruins tem alguns elementos estruturais em um estado de “deterioração avançada”.

    Cerca de 46.100 das 617.000 pontes nos Estados Unidos, ou 7,5% de todas as pontes, são consideradas estruturalmente deficientes e estão em condições ruins, de acordo com o mais recente boletim de infraestrutura da Sociedade Americana de Engenheiros Civis divulgado em 2021.

    Por essas pontes estruturalmente deficientes, 178 milhões de viagens são feitas todos os dias.

    Embora não sejam inerentemente inseguras, elas exigem investimentos substanciais para sua manutenção, afirma a organização. Elas correm um risco maior de serem fechadas ou sofrerem restrições de peso.

    A boa notícia é que o número de pontes estruturalmente deficientes caiu nos últimos anos, de acordo com o grupo. Mas a má notícia é que a taxa de gastos com melhorias diminuiu. Uma estimativa recente do acúmulo de reparos de pontes no país foi de US$ 125 bilhões.

    A lei federal de infraestrutura de US$ 1,2 trilhão, aprovada em 2021, que inclui US$ 110 bilhões para estradas, pontes e grandes projetos de infraestrutura, poderia ajudar a pagar por algumas melhorias em pontes.

    Mudanças climáticas e caminhões mais pesados

    Muitas das pontes mais antigas do país são vulneráveis a eventos climáticos extremos, como terremotos, furacões ou calor elevado.

    Quase 21.000 pontes foram consideradas suscetíveis a ter suas fundações ameaçadas durante eventos climáticos extremos, de acordo com o relatório de 2021 da Sociedade Americana de Engenheiros Civis.

    Os terremotos também são uma ameaça significativa para as pontes.

    A resiliência sísmica do sistema rodoviário dos EUA melhorou nas últimas décadas graças aos investimentos em infraestrutura nova e mais resiliente e à modernização das estruturas existentes, segundo um relatório de 2016 do Congressional Research Service.

    Ainda assim, nem todas as rodovias foram reformadas, e ainda não há uma maneira de construir a infraestrutura de forma econômica e capaz de resistir aos terremotos mais intensos, segundo o relatório.

    Além disso, as pontes são sobrecarregadas por caminhões mais pesados do que aqueles para os quais as pontes foram originalmente projetadas.

    Esses caminhões, que podem ultrapassar cargas de 40 toneladas, ameaçam sobrecarregar os elementos da ponte, causar fadiga e rachaduras no metal e diminuir a vida útil das pontes, segundo o relatório da Sociedade Americana de Engenheiros Civis.

    Navios de carga maiores

    O envelhecimento da infraestrutura, as condições climáticas extremas e os veículos maiores não são as únicas preocupações.

    Mais de 17.000 pontes são vulneráveis ao colapso em um único impacto, o que é conhecido como uma ponte “crítica em relação à fratura”. Isso significa que, se elas forem atingidas com força suficiente no ponto certo, uma grande seção ou toda a ponte pode desabar.

    A Key Bridge era “crítica em relação à fratura”, informou o National Transportation Safety Board na quarta-feira (27).

    Há uma necessidade urgente de melhorar ou proteger as pontes antigas para protegê-las contra embarcações modernas cada vez maiores, dizem os especialistas.

    O Dali, que colidiu com a Key Bridge na terça-feira, tinha cerca de 299 metros de comprimento — quase o dobro do comprimento dos navios usados quando a ponte foi construída na década de 1970.

    Entre 1960 e 2015, 35 grandes pontes em todo o planeta desabaram devido a colisões de navios ou barcaças, resultando em 342 mortes, de acordo com um relatório de 2018 da Associação Mundial de Infraestrutura de Transporte Aquaviário.

    Durante os primeiros três meses deste ano, a Key Bridge desabou em Baltimore, uma ponte no sul da China foi cortada ao meio e partes de uma ponte foram cortadas na Argentina depois que grandes navios comerciais colidiram com elas.

    “Os navios ficaram maiores, e os portos de contêineres estão concentrados em aprofundar suas cargas. Embora estejamos incentivando contêineres maiores, precisamos proteger as pontes nessas situações pontuais”, disse Ananth Prasad, presidente da Associação de Construtores de Transporte da Flórida, à CNN.

    Para minimizar o potencial de derrubada de pontes por navios, as pontes precisam ser construídas com o que é conhecido como redundâncias — proteções em torno dos pontos de perigo das pontes.

    Isso inclui “golfinhos” — estruturas enraizadas no leito do mar ou do rio, que se estendem acima da água, geralmente feitas de madeira ou aço — ou “defensas” — estruturas que afastam objetos dos pontos vulneráveis da ponte para desviar parte da força em caso de impacto.

    A adição dessas contraproteções, segundo Prasad, é mais rápida e econômica do que a construção de uma nova ponte.

    “Talvez seja necessário analisar os sistemas de proteção em torno das colunas da ponte em função de navios maiores”, disse ele.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original