Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Variante Delta avança, mas Fauci descarta novos bloqueios nos Estados Unidos

    Principal conselheiro médico de Joe Biden alertou, no entanto, que "as coisas vão piorar"

    Anthony Fauci fala durante audiência no Senado dos EUA
    Anthony Fauci fala durante audiência no Senado dos EUA Foto: Al Drago/Reuters (30.jun.2020)

    Sarah N. Lynch, da Reuters

    Ouvir notícia

    O principal conselheiro médico do presidente Joe Biden, Dr. Anthony Fauci, disse neste domingo (1º) que não espera que os Estados Unidos voltem a adotar lockdowns, apesar dos riscos crescentes de infecções por Covid-19 representados pela variante Delta.

    “Não acho que veremos bloqueios”, disse Fauci, que também é diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, no programa “This Week” da ABC.

    “Acho que temos o suficiente da porcentagem de pessoas no país — não o suficiente para esmagar o surto –, mas acredito que o suficiente para não nos permitir entrar na situação em que estávamos no inverno passado.”

    O aumento de casos de variantes Delta está sacudindo o mundo. Partes da Ásia que antes eram relativamente bem-sucedidas em conter a Covid-19, como Filipinas, Tailândia e Vietnã, agora estão bloqueando pontos críticos.

    Alguns estão resistindo às novas restrições. A partir de segunda-feira (2), o pessoal do exército ajudará a policiar a maior cidade da Austrália, Sydney, verificando se as pessoas com teste positivo estão se isolando.

    Na França, onde o governo está lutando contra uma quarta onda de infecções, milhares de pessoas protestaram pelo terceiro fim de semana consecutivo contra a introdução de um passe de saúde obrigatório que comprove a vacinação que será necessária para a entrada em muitos locais públicos.

    Embora Fauci não ache que os Estados Unidos precisarão fechar novamente como fizeram no ano passado, ele alertou na ABC que “as coisas vão piorar” à medida que a variante Delta continua a se espalhar.

    “Temos 100 milhões de pessoas neste país que são elegíveis para serem vacinadas e que não estão sendo vacinadas”, disse ele.

    Mais Recentes da CNN