Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Vikings levaram seus animais junto com eles para a Grã-Bretanha mil anos atrás, segundo pesquisa

    Arqueólogos descobriram o que acreditam ser a primeira evidência científica dessa prática enquanto analisavam os restos de um cemitério viking

    Restos de ossos humanos e de animais cremados foram encontrados na mesma pira.
    Restos de ossos humanos e de animais cremados foram encontrados na mesma pira. Universidade de York

    Ashley Stricklandda CNN

    Quando os vikings cruzaram o Mar do Norte para chegar à Grã-Bretanha no século 9, eles trouxeram seus cães e cavalos com eles, de acordo com uma nova pesquisa.

    Arqueólogos descobriram o que acreditam ser a primeira evidência científica dessa prática dos vikings enquanto analisavam restos de um cemitério viking chamado Heath Wood em Derbyshire, Inglaterra.

    Heath Wood consiste em 59 túmulos, dos quais 20 foram estudados. Embora os restos mortais no cemitério tenham sido cremados, fragmentos de ossos perduram e servem como peças perdidas do quebra-cabeça, revelando informações sobre quem estava lá e quando.

    Os pesquisadores analisaram os ossos de fêmur e de crânios, que foram atribuídos a dois adultos, um jovem e três animais, incluindo um cavalo, um cachorro e possivelmente um porco. A cremação era uma prática padrão na época para os escandinavos, enquanto os britânicos enterravam seus mortos. Mas, para determinar a verdadeira origem das pessoas e animais em Heath Wood, os cientistas levaram sua análise um passo adiante.

    Os pesquisadores testaram os fragmentos de osso em busca de estrôncio, um elemento natural encontrado em rochas, solo e água, que acaba nas plantas. Quando animais e humanos comem plantas, o estrôncio entra em seus ossos e dentes. O estrôncio existe em diferentes proporções ao redor do mundo, atuando como um marcador geográfico para as origens de várias espécies.

    Um adulto e uma criança cremados em Heath Wood provavelmente eram locais da área. Mas os ossos de outro adulto, assim como os dos animais, tinham diferentes proporções de estrôncio, que sugerem que eles eram originários da área do Escudo Báltico na Escandinávia, que incluía a Noruega e o centro e o norte da Suécia.

    O adulto e os animais provavelmente morreram logo após cruzar o Mar do Norte para chegar à Grã-Bretanha. O fato de terem sido incluídos na mesma pira de cremação sugere que o adulto era alguém importante, que trouxe consigo seu cavalo e cachorro – e os animais podem ter sido sacrificados quando a pessoa morreu.

    É possível que o osso de porco fosse uma fonte de alimento preservado ou um símbolo trazido de casa, em vez de um porco vivo que foi transportado.

    Um estudo detalhando as descobertas publicado na quarta-feira na revista científica “PLOS ONE”.

    Nova ciência e velhas histórias vikings

    Trabalhos anteriores em Heath Wood usaram datação por carbono para determinar que a cremação dos restos mortais ocorreu entre os séculos 8 e 10, mas as origens das pessoas e animais cremados não eram claras. A área também é interessante porque o Grande Exército Viking passou o inverno em Repton, que fica perto do cemitério, no ano de 873.

    O exército, que incluía guerreiros de diferentes populações da Escandinávia e possivelmente das Ilhas Britânicas, invadiu a Grã-Bretanha em 865.

    As novas descobertas oferecem percepções distintas quando comparadas com o material de fonte primária usado pelos pesquisadores, o Anglo-Saxon Chronicle, um registro anual de eventos compilado por volta do ano de 890 e escrito em inglês antigo.

    “Basicamente, aprofunda nossa compreensão do Grande Exército Viking quando ele chegou pela primeira vez às costas britânicas em East Anglia”, disse o principal autor do estudo, Tessi Löffelmann, pesquisador de doutorado no departamento de arqueologia da Universidade de Durham e no departamento de química da Vrije Universiteit de Bruxelas.

    “Nossa principal fonte primária da época, o Anglo-Saxon Chronicle, relata que o exército apreendeu cavalos da população local na Grã-Bretanha, mas nossa evidência isotópica mostra que essa não foi a única história – eles também trouxeram animais com eles de suas terras natais.”

    A viagem pelo Mar do Norte teria sido “molhada, fria e desconfortável para todas as partes envolvidas”, já que os navios transportavam animais e humanos juntos, disse Löffelmann.

    Os vikings provavelmente usaram uma combinação de seus navios longos e elegantes, bem como navios maiores com espaço de carga profundo em suas frotas que cruzavam o Mar do Norte. O Grande Exército Viking viajou por terra e mar, com acampamentos posicionados estrategicamente nos rios onde os guerreiros montados podiam obter suprimentos da frota em movimento mais lento, de acordo com o estudo.

    A tapeçaria medieval de Bayeux, que retrata a famosa conquista da Inglaterra por Guilherme da Normandia em 1066, fornece aos pesquisadores uma ideia de como isso poderia ter sido. Acredita-se que ele trouxe 10 mil homens e de 2 mil a 3 mil cavalos através do Canal da Mancha.

    “A Tapeçaria de Bayeux retrata a cavalaria normanda desembarcando cavalos de sua frota antes da Batalha de Hastings, mas esta é a primeira demonstração científica de que os guerreiros vikings transportavam cavalos para a Inglaterra duzentos anos antes”, disse o coautor do estudo Julian Richards, professor da Universidade de Departamento de arqueologia de York e codiretor das escavações de Heath Wood, em um comunicado.

    “Isso mostra o quanto os líderes viking valorizavam seus cavalos e cães pessoais, tanto que os trouxeram da Escandinávia e os animais foram sacrificados para serem enterrados com seus donos.”

    Os animais desempenharam um papel fundamental na mitologia nórdica, incluindo deuses que podiam se transformar em animais, disse Löffelmann.

    “No século 9, a Escandinávia ainda não era cristã e havia uma forte tradição oral – apenas alguns séculos depois essas histórias foram escritas, mas elas nos dizem que os animais tinham um papel importante a desempenhar na sociedade”, disse Löffelmann sobre o e-mail.

    Portanto, não deveria ser uma surpresa se a pessoa enterrada em Heath Wood quisesse trazer um cão de caça premiado e uma montaria pessoal, apenas para que os animais os acompanhassem na morte, disse ela.