Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Querendo a “era de ouro” das viagens aéreas de volta? Cuidado com o que deseja

    Durante a década de 1950, as companhias aéreas promoviam as viagens de avião comerciais como glamorosas

    Janet Bednarekda CNN

    Longas filas nos postos de controle de segurança, copos plásticos de refrigerante minúsculos, saquinhos de salgadinhos, aviões lotados, taxas associadas a todas as comodidades – tudo isso reflete a realidade das viagens aéreas comerciais do século XXI.

    Não é de admirar que muitos viajantes tenham ficado nostálgicos com a chamada “era de ouro” das viagens aéreas nos Estados Unidos.

    Durante a década de 1950, as companhias aéreas promoviam as viagens aéreas comerciais como glamorosas: as aeromoças serviam refeições completas em porcelana de verdade, os assentos das companhias aéreas eram grandes (e frequentemente vazios) com amplo espaço para as pernas e os passageiros sempre se vestiam bem.

    Dois passageiros jantam enquanto viajam no Pan American Martin Clipper, voando a 130 pés / Library of Congress/Corbis/VCG via Getty Images

    Depois que os jatos foram introduzidos no final dos anos 1950, os passageiros podiam viajar até mesmo para os locais mais distantes em velocidades inimagináveis apenas uma década antes.

    Uma viagem aérea de Nova York a Londres, que poderia levar até 15 horas no início dos anos 1950, poderia ser feita em menos de sete horas no início dos anos 1960.

    Mas a nostalgia das companhias aéreas pode ser complicada, e as “eras de ouro” raramente são tão idílicas quanto parecem.

    Até a introdução dos jatos em 1958, a maioria dos aviões comerciais do país eram movidos a hélice, como o DC-4.

    A maioria desses aviões não era pressurizada e, com uma altitude máxima de cruzeiro de 10.000 a 12.000 pés, eles não conseguiam voar com mau tempo.

    Atrasos eram frequentes, turbulência comum e sacos de enjôo frequentemente necessários.

    Alguns aviões eram espaçosos e pressurizados: o Boeing Stratocruiser, por exemplo, podia acomodar 50 passageiros de primeira classe ou 81 passageiros de ônibus, em comparação com os 21 passageiros do DC-3. Podia cruzar a 32.000 pés, o que permitia ao Stratocruiser voar acima do mau tempo que encontrava. Mas apenas 56 desses aviões estiveram em serviço.

    Enquanto os DC-6 e DC-7 posteriores foram pressurizados, eles ainda voaram muito mais baixo do que os jatos que logo apareceriam – 20.000 pés em comparação com 30.000 pés – e muitas vezes encontraram turbulência.

    Os motores a pistão eram volumosos, complexos e de difícil manutenção, o que contribuía para frequentes atrasos. Durante grande parte desse período, o velho ditado “Tempo de sobra, vá de avião” ainda soou verdadeiro.

    Durante a década de 1930 e na década de 1940, quase todos voaram de primeira classe.

    As companhias aéreas incentivaram mais pessoas a voar nas décadas de 1950 e 1960, mas a economia foi relativa: menos cara que a primeira classe, mas ainda cara.

    Em 1955, por exemplo, as chamadas “tarifas baratas” de Nova York a Paris equivaliam a pouco mais de US$ 3.200 (cerca de R$ 16,7 mil) em dólares de 2023.

    Embora o advento dos jatos tenha resultado em tarifas mais baixas, o custo ainda estava fora do alcance da maioria dos americanos.

    O passageiro frequente mais provável era um homem de negócios branco viajando por conta de sua empresa e, na década de 1960, as companhias aéreas – com aeromoças jovens e atraentes em saias curtas – claramente atendiam a seus passageiros mais frequentes.

    A demografia dos viajantes começou a mudar durante este período. Mais mulheres, mais jovens e aposentados começaram a voar; ainda assim, as viagens aéreas permaneceram financeiramente fora do alcance da maioria.

    Se foi uma idade de ouro, foi para poucos

    As pessoas também esquecem que bem na década de 1960, as viagens aéreas eram muito mais perigosas do que são hoje.

    Nas décadas de 1950 e 1960, as companhias aéreas americanas sofreram pelo menos meia dúzia de acidentes por ano – a maioria levando à morte de todos a bordo.

    As pessoas hoje podem lamentar os aviões lotados e a falta de comodidades a bordo, mas o número de mortes por milhão de milhas voadas caiu drasticamente desde o final da década de 1970, especialmente em comparação com a década de 1960.

    Até pelo menos a década de 1970, os aeroportos apresentavam até quiosques de venda de seguro de voo. E não podemos esquecer os sequestros.

    Em meados da década de 1960, tantos aviões foram sequestrados que “Leve-me para Cuba” tornou-se uma piada para comediantes de stand-up.

    Em 1971, DB Cooper – um sequestrador que saltou de pára-quedas de um Boeing 727 depois de extorquir US$ 200.000 – poderia ter alcançado o status de herói popular.

    Mas uma das razões pelas quais os passageiros das companhias aéreas americanas hoje (geralmente) toleram os pontos de controle de segurança é que eles querem algum tipo de garantia de que suas aeronaves permanecerão seguras.

    E se os exemplos anteriores não ofuscarem o brilho da “idade de ouro” das viagens aéreas, lembre-se: fumar a bordo era permitido e encorajado.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original