Chefe de milícia é morto após policiais interceptarem comboio em Itaguaí, no Rio


Jairo Nascimento e Thayana Araújo da CNN, no Rio
16 de outubro de 2020 às 07:15 | Atualizado 16 de outubro de 2020 às 13:59

A polícia deflagrou duas operações na baixada fluminense contra a milícia. Nesta sexta-feira (16), os alvos foram os braços econômicos da organização criminosa em Nova Iguaçu. Na noite desta quinta-feira (15), 12 supostos milicianos morreram durante um confronto com agentes de uma Força Tarefa da Polícia Civil e Polícia Rodoviária Federal em Itaguaí. As informações foram divulgadas durante entrevista coletiva na Cidade da Polícia, zona norte do Rio de Janeiro.

Um dos mortos apontado como chefe da milícia local foi identificado como Carlos Eduardo Benevides Gomes, o Cabo Benê. Os agentes tentaram, nos últimos 15 dias, interceptar os suspeitos.

Leia também:
O que está em jogo na decisão do STF de manter a prisão de André do Rap

Armas apreendidas pela polícia no Rio

Armas apreendidas pela polícia no Rio

Foto: Reprodução/CNN Brasil (16.out.2020)

Em Nova Iguaçu, uma força tarefa composta por diversas delegacias tenta interromper a fonte de renda ilegal da milícia chefiada por Wellington da Silva Braga, o "Ecko". De acordo com a investigação, uma farmácia é usada para lavagem de dinheiro, venda de medicamentos proibidos e faz parte de uma das fontes de financiamento da quadrilha que, inclui também, venda de botijão de gás, transporte público alternativo, produtos falsificados, segurança privada, venda de imóveis e serviço ilegal de Internet e TV a cabo. Para os policiais, parte do dinheiro pode estar sendo usado para financiar campanhas políticas. O Tribunal Regional Eleitoral do Rio auxiliou apresentando denúncias. Até o fechamento desta reportagem, 13 pessoas foram presas.

Já em Itaguaí, na quinta, uma Força Tarefa da Polícia Civil e a Polícia Rodoviária Federal interceptou um comboio de supostos milicianos na BR 101, antiga Rio-Santos. Segundo os agentes, os suspeitos estavam em 4 carros e portavam colete balísticos, rádios, munição, pistolas e fuzis. Eles desceram dos veículos começaram a ofensiva. Um policial ficou ferido. 12 supostos milicianos morreram no confronto.

Cabo Benê

Cabo Benê, um dos dos mortos durante o tiroteio

Foto: Divulgação/Polícia Civil