Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Aluno da Geração Z deve ser protagonista no processo de ensino, avalia professor

    À CNN Rádio, o diretor e docente da Escola de Educação Física e Esporte da USP, Hugo Tourinho Filho, destacou a importância de identificar modelos de ensino adequados para o processo de aprendizagem nos diferentes níveis geracionais

    Marcello Casal Jr/Agência Brasil

    Bruna Sales

    O chamado conflito de gerações é um problema causado pelo choque entre as visões de pessoas que nasceram em épocas distintas. Na sala de aula, esse fator tem influência no processo de ensino e aprendizagem dos estudantes.

    Esta é a conclusão de um artigo para o Jornal da USP, escrito pelo diretor e docente da Escola de Educação Física e Esporte da USP, Hugo Tourinho Filho.

    Em entrevista à CNN Rádio, o professor avaliou que “o fato de existir um conflito não significa que ele só traz problemas. Quando isso é abordado de uma forma que possibilita o aprendizado entre gerações, é muito interessante o convívio.”

    Hugo Tourinho Filho destacou que um jovem da Geração Z é fruto da “cultura touch”, ou seja, “eles aprendem mexendo, fazendo. O que é uma cultura diferente da dos Baby Boomers, que sempre se pautou em um manual.”

    A Geração Z corresponde às pessoas que nasceram entre a segunda metade dos anos 1990 até o início do ano 2010. Já um “Baby Boomer” é uma pessoa nascida no momento pós-Segunda Guerra Mundial, entre 1946 e 1964.

    “Para existir engajamento entre os nativos digitais, o aluno tem que se sentir protagonista do processo”, apontou o diretor. “Sem engajamento, o aluno perde a capacidade de tomar iniciativa, e vai fazer qualquer outra coisa do que assistir à aula.”

    Hugo Tourinho explicou que a metodologia adequada para o ensino pode se inspirar em dois pilares da gamificação. “O primeiro é que se deve aprender com o erro. Ou seja, o erro deve ser encarado como uma ferramenta de aprendizagem”, disse o professor. “O segundo pilar é o protagonismo. A construção de conhecimento deve ser mútua entre aluno e professor.”

    Outro desafio é vencer a “superficialidade do conhecimento adquirido”, que, muitas vezes, é impactado pela grande quantidade de informação presente nos mecanismos de busca online.

    Para o professor da USP, a resposta para isso é apostar na abordagem da importância de todo tipo de conhecimento. “Nós temos que formar a juventude em cidadãos que tenham criticidade, e capacidade de julgar. Da matemática à filosofia, todas as disciplinas são essenciais”.