Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Apagão: governo diz que energia foi restabelecida no Sul, Sudeste e Centro-Oeste; Norte e Nordeste seguem afetados

    Ministro de Minas e Energia determinou a criação de uma "sala de situação" para lidar com o processo de retomada da energia e também "a rigorosa apuração das causas do incidente"

    Léo Lopesda CNN

    em São Paulo

    O Ministério de Minas e Energia informou, às 10h51 desta terça-feira (15), que já houve retomada das cargas nos locais afetados pelo apagão nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

    “No momento, as equipes atuam para restabelecer as cargas ainda afetadas nas regiões Norte e Nordeste”, informou o Ministério.

    Veja: Apagão ocorreu às 8h31 e sistema elétrico nacional perdeu 25,9% da energia em 10 minutos

    A pasta informou ainda que, até às 10h22, 27% da carga da região Norte e 68% da região Nordeste foi retomada.

    Por volta de 12h, o vice-presidente Geraldo Alckmin afirmou a repórteres que o Nordeste recuperou cerca de 80% da carga e a região Norte, mais de 40%. “A gente deverá, em poucas horas, se tudo correr bem, estar tudo normalizado”, afirmou.

    Alckmin disse que não conversou com Lula sobre o apagão, mas foi inteirado sobre os trabalhos do Ministério de Minas e Energia.

    “Estão com problema em Imperatriz, no Maranhão, mas já estão debruçados lá sob o problema. Mas tá indo bem. Se não tiver fato superveniente, em poucas horas pode estar recuperada essa carga. A causa será em seguida verificada”, completou.

    O ministro Alexandre Silveira determinou a criação de uma “sala de situação” para lidar com o processo de retomada da energia. Silveira também determinou “a rigorosa apuração das causas do incidente”.

    “Desde as primeiras notícias da interrupção do abastecimento de energia em alguns estados nesta manhã, determinei o rápido reestabelecimento dos serviços, assim como a devida apuração dos motivos que levaram à queda de energia”, escreveu o ministro no Twitter.

    “Além disso, lidero todos os procedimentos com equipe e vinculadas. Também estou providenciando o meu retorno imediato do Paraguai ao Brasil, onde acompanhava o presidente Lula na posse do novo presidente paraguaio Santiago Peña”, acrescentou.

    Um apagão atingiu todas as regiões do Brasil na manhã desta terça-feira (15). Segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), uma ocorrência na rede de operação do Sistema Interligado Nacional (SIN) interrompeu 16 mil megawatts (MW) de carga.

    Segundo o órgão, a interrupção ocorreu devido à abertura da interligação Norte-Sudeste. As causas da ocorrência ainda estão sendo apuradas.

    O apagão começou a ser registrado nos sistemas do ONS exatamente às 8h31 no horário de Brasília – quando é interrompido o tradicional aumento da carga do sistema elétrico. Em dez minutos, a carga do sistema elétrico brasileiro caiu 25,9%.

    Veja: Ministério confirma apagão em pelo menos quatro regiões

    Dados que mede o SIN do ONS mostram que o Brasil registrava 73.484,7 MW às 8h30 no horário de Brasília em trajetória de alta – exatamente como acontece todas as manhãs. Mas, no minuto seguinte, às 8h31, a carga do sistema cai repentinamente cerca de 7%.

    A perda de carga continua nos minutos seguintes até às 8h40, quando o sistema registra a menor carga do dia, de 54.383,7 MW.

    Os dados do SIN mostram que houve, em dez minutos, perda de carga de mais de um quarto da energia do sistema. A partir das 8h41, a carga volta a subir gradativamente.

    A carga do subsistema Norte caiu 83,8% em pouco mais de dez minutos a partir de 8h31 [horário de Brasília]. No Nordeste, a carga do sistema caiu 44,4%. No subsistema Sudeste-Centro-Oeste, a perda foi de 19% após o apagão e a queda chegou a 15,5% na região Sul – a que menos sofreu com o apagão.

    Cinco apagões nos últimos 24 anos

    Brasil já teve alguns dos maiores blecautes do mundo, como a interrupção no fornecimento para 90 milhões de pessoas em 2009, e episódios traumáticos, como o apagão que deixou quase todo o Amapá por dez dias sem luz.

    • Amapá (2020)

    Em 3 de novembro de 2020, a principal subestação do Amapá pegou fogo, afetando o fornecimento de energia em 13 dos 16 municípios do estado. Houve demora para o restabelecimento e caos nos serviços públicos. Quase 800 mil ficaram dez dias sem eletricidade.

    • Brasil (2018)

    Em 21 de março de 2018, todas as regiões do país foram afetadas por um apagão, que teve maior intensidade e duração no Norte e no Nordeste. Os estados de Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Piauí, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rondônia, Sergipe e Tocantins foram os mais prejudicados.

    O blecaute ocorreu por causa de uma falha na linha de transmissão ligada à usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará, que não suportou um aumento de carga. No total, 70 milhões de pessoas foram afetadas.

    • Nordeste (2011)

    Uma falha em subestação localizada na divisa de Pernambuco com a Bahia deixou 47 milhões de pessoas sem luz em todo o Nordeste, à exceção do Maranhão, na noite de 3 de fevereiro de 2011. Foram várias horas de interrupção no fornecimento.

    • Brasil e Paraguai (2009)

    Na noite de 10 de novembro de 2009, houve falha de três linhas de transmissão provenientes da usina binacional de Itaipu. A queda brusca na demanda de energia ocasionou o desligamento automático de 20 turbinas da hidrelétrica, deixando quase 90 milhões de pessoas sem energia no Brasil e no Paraguai. Quatro estados brasileiros foram integralmente afetados. Cerca de 90% do país vizinho também ficou sem luz.

    • Brasil (1999)

    Um dos maiores blecautes da história foi registrado em 11 de março de 1999. Dez estados e o Distrito Federal ficaram sem fornecimento à noite. Ao todo, 76 milhões de pessoas foram afetadas.

    Na época, o governo culpou um raio que teria atingido uma torre de distribuição em Bauru (SP). Depois, ficou comprovado que essa não era a causa. Apontou-se posteriormente a sobrecarga do sistema como motivo. Dois anos mais tarde, houve racionamento de energia em todo o país, exceto na região Sul.