Bolsonaro diz que vai alterar decreto para garantir funcionamento de lotéricas

Em publicação no Twitter, presidente diz que quer lotéricas abertas durante período de quarentena

Cartelas da Mega-Sena, da Loteria Federal
Cartelas da Mega-Sena, da Loteria Federal Foto: Marcello Casal Jr. - 23.mar.2020/Agência Brasil

Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) quer todas as casas lotéricas funcionando no país. Em publicação na noite desta quarta (25) no Twitter, o presidente disse que pretende atualizar o decreto que restringe o funcionamento do comércio para que as lotéricas continuem abertas normalmente.

“No Brasil, existem 12.956 casas lotéricas e 2.463 se encontram fechadas por decretos estaduais ou municipais. Para que possam funcionar em sua plenitude, atualizei, nessa data, o Decreto 10.282”, escreveu Bolsonaro.

 

O documento citado pelo presidente foi publicado no último sábado (21) para definir os serviços públicos e atividades essenciais e proibir a restrição à circulação de trabalhadores. Até o momento, o texto ainda não foi atualizado.

O decreto lista os serviços e atividades indispensáveis ao atendimento das necessidades inadiáveis da comunidade que, se não forem preservados, podem colocar em perigo a sobrevivência, a saúde ou a segurança da população. Também busca preservar a entrega de cargas para impedir desabastecimento de produtos essenciais.

Estão incluídos serviços como:

– Assistência à saúde, incluídos serviços médicos e hospitalares;

– Assistência social e atendimento à população em estado de vulnerabilidade;

– Segurança pública e privada, incluídas a vigilância e a guarda de detentos;

– Defesa nacional e de defesa civil;

– Transporte intermunicipal, interestadual e internacional de passageiros e o transporte de passageiros por táxi ou aplicativo;

– Telecomunicações e internet;

– Captação, tratamento e distribuição de água;

– Coleta e tratamento de esgoto e lixo;

– Geração, transmissão e distribuição de energia elétrica e de gás;

– Iluminação pública.

Mais Recentes da CNN