Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Após 1 mês, chef que preparou refeições para desabrigados no RS volta pra casa: perdi tudo, uma dor que não sei explicar

    Após mais de um mês do aumento das águas na região metropolitana de Porto Alegre, um chef de cozinha retornou pro local onde mora e encontrou uma cena de destruição total

    Chef de cozinha Alex Ramalho Casali conseguiu voltar para casa nesta semana, em São Leopoldo (RS)
    Chef de cozinha Alex Ramalho Casali conseguiu voltar para casa nesta semana, em São Leopoldo (RS) Reprodução

    Stêvão Limanada CNN

    Com a contínua diminuição dos níveis dos rios da região metropolitana de Porto Alegre, o chef de cozinha Alex Ramalho Casali conseguiu voltar para casa nesta semana, em São Leopoldo (RS).

    Após ter passado um mês na casa de amigos, de forma improvisada, Alex conta que nada do que havia dentro de casa sobrou, nem mesmo as portas da residência.

    “Conseguimos retornar no último dia 4 pra nossa casa em São Leopoldo, mas como ela ficou submersa por muitos dias, não conseguimos salvar nada. Tivemos que derrubar as paredes internas de casa e também as portas. Estamos vivendo com doações com nossa casa somente com as paredes externas”.

    Alex é chef de cozinha formado pela Universidade Feevale com especialização em confeitaria pela Le Cordon Bleu e, atualmente, trabalha em uma pizzaria de Porto Alegre.

    Mesmo sem ter como voltar para casa, Alex ajudou a preparar mais de 2 mil refeições aos desabrigados da tragédia climática do Rio Grande do Sul.

    Juntamente com outros colegas, ele faz parte do projeto “Pizzaiolo Solidário”, iniciativa que distribuiu “refeições afetivas” aos atingidos por meio de doações arrecadadas.

    “Estamos sobrevivendo com doações, somente assim. Quando voltei pra casa onde moro com meu avô, vi todos os nossos móveis sujos e meus livros de gastronomia destruídos. Temos que tentar retomar a vida um dia de cada vez. No meio da destruição encontrei uma batedeira que utilizava para trabalhar, lavei-a como um símbolo de recomeço para que eu nunca deixe de acreditar nos meus sonhos”.

    Alex conta, ainda, que precisou sair de casa duas vezes. Nos dias em que trabalhava em Porto Alegre ele costumava alugar um quarto para passar o final de semana, local em que também foi evacuado. Portanto, precisou sair às pressas de onde estava duas vezes.

    “Graças a Deus toda minha família está com saúde. Estamos recebendo ajuda dos amigos e em breve iremos reconstruir tudo isso e dar a volta por cima”, finaliza.