Contaminação na cervejaria Backer não foi caso isolado, aponta relatório

Documento do Ministério da Agricultura mostra que cervejaria produzia bebidas contaminadas desde janeiro de 2019 e afasta possibilidade de evento isolado

Da CNN

Ouvir notícia

Um relatório do Ministério da Agricultura mostra que a cervejaria Backer, em Minas Gerais, produzia bebidas contaminadas desde janeiro de 2019. A nova informação afasta a possibilidade de que as dez mortes causadas pelo consumo da cerveja seja resultado de um evento isolado.

O documento ainda aponta que esse tipo de contaminação seria inédito em todo o Brasil e que a cervejaria adotou uma prática totalmente irresponsável ao utilizar líquidos refrigerantes tóxicos na produção das cervejas.

Além disso, equipes do Ministério Público e da Polícia Civil de Minas Gerais cumpriram mandados de busca e apreensão na sede da cervejaria, em Belo Horizonte, na terça-feira (4). 

Leia também:
Justiça determina quebra de sigilo bancário da cervejaria Backer
Morre décima vítima por intoxicação após consumo de cerveja da Backer

Mais de mil documentos com anotações sobre as produções foram localizados. Entre eles, registros de funcionários sobre vazamento de glicol, mas não especificavam sobre se seria mono ou etilenoglicol.

Durante a perícia, a polícia constatou que houve vazamento em um dos tanques por onde as cervejas passaram, o que possibilitou o contato com os produtos químicos e levou à contaminação dos lotes.

O inquérito policial foi concluído em junho e apontou que 29 pessoas foram intoxicadas pela substância dietilenoglicol. Dez morreram.

A CNN entrou em contato com a Backer, que, até o momento da publicação deste texto, não se posicionou.

(Edição: André Rigue)

Mais Recentes da CNN