Internações e contágio em Araraquara despencaram após lockdown, diz prefeito

Cidade, que fechou tudo após descoberta da circulação de cepa de Manaus, conseguiu reduzir efeitos da Covid-19 na população

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Araraquara, no interior de São Paulo, viu seus índices de contaminação e internações por Covid-19 despencarem após decretação de um lockdown na cidade.

O prefeito Edinho Silva (PT) afirmou à CNN na noite desta sexta-feira (12) avaliar que as medidas — colocadas em prática após a constatação de que a cepa de Manaus circulava entre a população — surtiram efeitos.

“Vivenciamos no fim de janeiro um crescimento vertiginoso da contaminação. Imediatamente tomamos medidas de restrição, porque vimos o que aconteceu em Manaus, e corremos para abrir leitos. Nenhum governante deseja decretar restrições tão profundas com o lockdown, você só toma soluções como essa quando não vê outra”, confessa.

“Retiramos o transporte público de circulação, fechamos shoppings, até os supermercados nos primeiros 7 dias, porque era o que mais aglomerava pessoas. Após dez dias, retomamos as atividades e colhemos os frutos: tivemos redução de casos de mais de 43%, mais de 28% de queda nas internações e de 58% nos que estão aguardando resultados ou que a doença não agravou. As amostras positivadas remetidas aos laboratórios caíram 62%”, enumera.

Silva lembra, no entanto, que não é hora de baixar a guarda. “Temos que continuar conscientizando a população, porque é um momento difícil”. E, como o estado de São Paulo está na fase vermelha e entrará em uma fase ainda mais rígida segunda-feira (15), é preciso pensar em alternativas para a economia local. “Estamos vendo comerciantes sofrendo. Além do auxílio emergencial, precisamos de socorro aos pequenos e médios empresários”.

Lockdown na cidade de Araraquara devido ao colapso do sistema de saúde
Araraquara (SP) durante período de medidas mais rígidas de restrição
Foto: Tetê Viviane/Futura Press/Estadão Conteúdo

Publicado por Guilherme Venaglia

Mais Recentes da CNN