Lia Bock: Lei das drogas hoje não trata usuários e fortalece crime organizado

Para ela, há alternativas para enfrentar esse problema, o qual, segundo Lia, não é uma questão de polícia e sim de saúde pública

Ouvir notícia

No Manual do Mundo Moderno desta quinta-feira (5), na CNN Rádio, Lia Bock falou sobre alguns plebiscitos realizados nos Estados Unidos nessa terça-feira (3), em paralelo às eleições presidenciais. O estado do Oregon, por exemplo, aprovou a descriminalização de drogas como cocaína e heroína. Vale ressaltar que a decisão ainda exige regulamentação, o que depende do Senado.

Assista e leia também:
Lia Bock: O caso Mariana Ferrer e o machismo no judiciário brasileiro
Lia Bock: Ecosia, rival do Google, reverte 80% do lucro para reflorestamento
Lia Bock: A liberdade da internet no Brasil e sua regulamentação

Cartela Manual do Mundo Moderno (Rádio CNN)
Lia Bock comanda o Manual do Mundo Moderno na Rádio CNN
Foto: CNN Brasil

Lia afirmou que, para discutir a questão das drogas, é preciso “pensar com a razão e não com o coração”. “A política atual norte-americana de guerra às drogas que se espalhou pelo mundo data de 1970, com [o então presidente dos EUA] Richard Nixon, que fez um discurso emblemático dizendo que as drogas eram o inimigo número 1 dos norte-americanos”, afirmou. “Hoje a gente vê que essa guerra foi perdida.”

Ela ressaltou que o que se tem atualmente são alternativas para enfrentar esse problema, o qual, segundo Lia, não é uma questão de polícia e sim de saúde pública.

“A lei que temos hoje no Brasil e em outros países leva ao encarceramento em massa, não trata os usuários e acaba fortalecendo o crime organizado”, declarou. Lia citou como exemplo a Lei Seca, aprovada nos EUA na década de 1920, que proibiu o álcool. “Ficou muito óbvio como a proibição aumentou a embriaguez e a criminalidade. Para as drogas, vale a mesma coisa.”

Mais Recentes da CNN