Municípios da região metropolitana do RJ sinalizam baixa nos estoques de vacinas

Sem previsão de receber novas remessas, três municípios do estado do Rio de Janeiro já interromperam a aplicação das vacinas para a Covid-19

Aplicação da vacina contra Covid-19 no Rio de Janeiro
Aplicação da vacina contra Covid-19 no Rio de Janeiro Foto: Delmiro Júnior/Agência O Dia/Estadão Conteúdo (19.mar.2021)

Beatriz Puente*,

da CNN, no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

Sem previsão de receber novas remessas, três municípios do estado do Rio de Janeiro já interromperam a aplicação das vacinas para a Covid-19. Por falta de imunizantes, Niterói paralisou o calendário de vacinação da primeira dose na quarta-feira (14). Em Caxias, não há nem vacinas disponíveis para a segunda dose. Segundo a prefeitura, o estoque disponibiliza apenas 2 mil imunizantes para profissionais de saúde e a vacinação para população em geral foi interrompida. Em Guapimirim, a imunização também foi paralisada e aguarda pela chegada de novos lotes do Ministério da Saúde.

Outras quatros cidades, Itaboraí, Japeri, São João de Meriti e Paracambi afirmaram que a previsão é conseguir cumprir o calendário até o fim desta semana. E que, posteriormente, os estoques seriam reavaliados para determinar o prosseguimento da vacinação ou não. 

Na capital, a vacinação contra a Covid-19 é destinada às mulheres com 62 anos, profissionais de saúde com 51 anos e à segunda dose nesta quinta-feira (15). A vacinação dos profissionais de saúde acontece exclusivamente de 13h a 17h. Atualmente, foram 1.147.995 pessoas vacinadas com a primeira dose.

A Fundação Oswaldo Cruz entregou, nesta quarta-feira (14), por meio do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos), cerca de 2,2 milhões de vacinas Oxford-AstraZeneca, das quais aproximadamente 215 mil doses seguiram diretamente ao estado do Rio de Janeiro. Uma nova entrega está prevista para a próxima sexta-feira (16), com cerca de 2,8 milhões de doses do imunizante, totalizando 5 milhões de vacinas entregues na semana.

*sob supervisão de Cleber Rodrigues

Mais Recentes da CNN