Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    PF indicia novamente homem apontado como mandante das mortes de Bruno Pereira e Dom Phillips

    PF já havia apontado Rubens Villar, conhecido como “Colômbia”, como mandante dos assassinatos, mas esperou mais provas para o indiciamento; crimes no Vale do Javari completam um ano nesta segunda-feira (5)

    Elijonas Maiada CNN

    em Brasília

    A Polícia Federal (PF) indiciou novamente Rubens Villar, conhecido como “Colômbia”, como mandante da morte do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips. O duplo assassinato aconteceu no Vale do Javari, no Amazonas, há exato um ano, em 5 de junho de 2022.

    Em janeiro, a PF já havia apontado “Colômbia” como mandante dos crimes, mas esperou mais quatro meses para juntar provas para o indiciamento de assassinato e ocultação de cadáver.

    Ele tinha sido indiciado por uso de documento falso e é investigado por pesca ilegal e tráfico de drogas. Um pescador ilegal envolvido no caso também foi indiciado pela PF.

    Segundo o superintendente da PF no Amazonas à época, Eduardo Fontes, “Colômbia” conversou antes e depois do crime com os assassinos confessos, que são réus do crime e estão presos em presídios federais no Mato Grosso do Sul.

    Desde o início das investigações, lideranças indígenas da Terra Indígena Vale do Javari, no Amazonas, o apontavam como um dos mandantes.

    “Nós temos, comprovadamente, ele [‘Colômbia’] fornecendo as munições que foram utilizadas no crime. Nós temos o pagamento que ele realizou para o advogado. Temos a ligação que ele realizou na sexta-feira [dia 3 de junho], véspera dos crimes para um dos investigados. No dia do crime, há a tentativa dele ligar para o criminoso. Temos vários elementos que o apontam”, disse o delegado, em 23 de janeiro.

    Atualmente, o processo está em fase de instrução. É nessa etapa que as testemunhas e os réus são ouvidos pela Justiça.

    Os três acusados já foram interrogados, mas serão ouvidos novamente pelos investigadores. Antes o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) autorizou a oitiva de mais testemunhas.