Polícia prende suspeito e localiza carro usado na morte de médico no RJ

Cirurgião plástico Claudio Marsili foi baleado quando chegava para trabalhar em uma clínica

Ana Lícia SoaresLucas Madureirada CNN

No Rio de Janeiro

Ouvir notícia

As polícias civil e militar do Rio de Janeiro prenderam, na tarde desta terça-feira (19), um homem suspeito de envolvimento na morte do cirurgião plástico Claudio Marsili, de 64 anos, morto a tiros pela manhã na Barra da Tijuca, zona oeste da capital fluminense.

O homem foi localizado no Morro do Turano, na zona norte da cidade. Com ele, os agentes apreenderam a chave de um carro que posteriormente foi reconhecida pelo filho do médico como sendo do pai.

Durante uma operação conjunta, os policiais também localizaram o carro da vítima na Rua Martins Pena, também na Tijuca. Horas antes, os agentes localizaram o carro que teria sido usado pelos criminosos. A Polícia Civil vai periciar ambos os veículos.

Crime próximo à Divisão de Homicídios

O médico Claudio Marsili foi baleado pouco antes das 7h. O crime aconteceu após a vítima estacionar o carro próximo à clínica que na qual daria plantão, na Barra. O local fica a cerca de 600 metros da Divisão de Homicídios da Capital. O filho da vítima, o médico e influenciador digital Italo Marsili, que tem mais de 1,4 milhões de seguidores no Instagram, esteve no local do crime e acompanhou a remoção do corpo do pai para o Instituto Médico Legal (IML).

O corpo do médico foi levado para o Instituto Médico Legal (IML), no Centro do Rio de Janeiro, e uma perícia foi feita no local onde o médico foi morto a tiros.

Policiais da Divisão de Homicídios trabalham com duas linhas de investigação: latrocínio (roubo seguido de morte) ou execução. A segunda hipótese é considerada porque o médico vinha recebendo ameaças de morte devido a uma cirurgia que um paciente não considerou bem sucedida.

Além de periciar o carro encontrado, a Polícia Civil ouve testemunhas e busca imagens de câmeras de segurança para conseguir identificar os criminosos.

Mais Recentes da CNN