Procura por cursos de graduação na área da saúde aumenta durante a pandemia

Pais também relatam maior interesse dos filhos na ciência

Tiago Américo

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

A pandemia aumentou o interesse de pessoas em cursos de graduação na área da saúde, como medicina, enfermagem, biomedicina, farmácia e nutrição.

Essa disparada foi sugerida por uma pesquisa global feita pela Pearson e obtida com exclusividade pela CNN Brasil. Segundo a empresa, que ouviu 2 mil pais e alunos universitários entre 11 e 17 anos, 64% dos pais disseram ter percebido aumento de interesse por parte dos filhos em assuntos relacionados à ciência com o surgimento da pandemia.

No Brasil, esse índice foi ainda maior, chegando a 67%. O estudo também revelou que 64% dos alunos consideram escolher a carreira profissional influenciados pela pandemia . A pesquisa foi feita no Brasil, Estados Unidos, China e Reino Unido.

O coordenador do curso de medicina da Universidade São Camilo, Raphael Einsfeld, acredita que a imagem positiva dos profissionais da linha de frente durante o combate a Covid-19 fez aumentar o número de matrículas.

“À medida que vimos o aumento do desemprego, ficamos preocupados com a procura por vagas. No fim do ano, tivemos aumento de procura por pessoas que prestaram vestibular”, afirma à CNN.

Procura por graduações na área da saúde aumenta durante a pandemia (05.jun.2021)
Procura por graduações na área da saúde aumenta durante a pandemia (05.jun.2021)
Foto: Reprodução/CNN

A direção da faculdade percebeu um aumento significativo este ano pela procura de cursos na área da saúde. No vestibular de medicina, por exemplo, houve um aumento de 6% nas matrículas. Em enfermagem, chegou a 21%. Já no curso de farmácia, a procura aumentou em quase 60%.

Aos 42 anos e formada em letras, Simone Casagrande também diz ter sido influenciada pela grave crise sanitária, para escolher se dedicar na área hospitalar e começou o curso de enfermagem. “Meu sonho ficou adormecido, e a pandemia me ajudou a ter certeza do que eu queria”, disse.

Mais Recentes da CNN