Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Reajuste de bolsas já foi autorizado por Lula, diz ministro da Educação

    Após encontro com reitores de universidades e institutos federais, Camilo Santana anunciou medidas que serão prioritárias da pasta, como o combate à evasão de estudantes universitários, considerada por ele como alta

    Lucas Rochada CNN em São Paulo

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o ministro da Educação, Camilo Santana, participaram nesta quinta-feira (19) de uma reunião com reitores de universidades e institutos federais, no Palácio do Planalto, em Brasília.

    Após o encontro, Santana anunciou medidas que serão prioritárias da pasta, como a recuperação orçamentária, o reajuste de bolsas, a evasão de universitários, a assistência estudantil, a retomada de obras, a avaliação de abertura de vagas e a autonomia das instituições.

    É uma pauta que vai desde a recuperação orçamentária das universidades e passa pelo reajuste das bolsas já autorizado pelo presidente. Estamos fazendo os ajustes necessários junto com a Capes e o CNPq, vamos unificar os reajustes para ser anunciado pelo presidente

    Camilo Santana, ministro da Educação

    O ministro da educação afirmou que a reunião marca uma nova fase da educação superior e tecnológica no país. “O presidente Lula deu uma demonstração do respeito e da prioridade para a educação pública nesse país. As universidades e institutos federais sofreram muito nos últimos quatro anos, com cortes orçamentários, falta de reajuste das bolsas, falta de diálogo”, pontuou.

    O combate à evasão de estudantes universitários foi um dos pontos abordados pelo ministro como ação prioritária. “Precisamos discutir muito a evasão dos nossos alunos das universidades que está muito alta. Justifica segundo o Censo da Educação Superior que 54% dos alunos abandona as universidades públicas e gratuitas. São enormes desafios”, destacou.

    Santana atualizou o número de obras em andamento em instituições de ensino no país. “Temos 256 obras paralisadas nas universidades e 76 obras paralisadas nos institutos federais, somadas a quase 3.700 obras do FNDE, que vão desde creches às escolas”, disse.

    O chefe do MEC destacou a participação em um encontro com representantes das universidades federais, o presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) e o presidente do Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif).

    “Só vamos conseguir reconstruir esse país e principalmente a educação pública que pra mim é a coisa mais importante para uma nação com muita união, com diálogo e respeito”, disse Santana.

    Presidente Luiz Inácio Lula da Silva participa de reunião com reitores das universidades federais do país e dos institutos federais de ensino, no Palácio do Planalto / Marcelo Camargo/Agência Brasil