Sem aval nem verba, Liesa vê ‘90% de chances’ de carnaval no Rio em fevereiro

Prefeitura do Rio de Janeiro não disse ainda quanto dinheiro vai repassar e quando ele será liberado para as escolas

Pedro DuranIsabelle Resendeda CNN

no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

Os lampejos de solda vistos das grades dos barracões das escolas de samba entusiasmam os carnavalescos do Rio de Janeiro. Neste ano, no entanto, a construção dos carros alegóricos e a confecção das fantasias está com até um mês de atraso.

A fase do ferro, em que são montadas as estruturas que servem de base para os carros alegóricos, costuma ser feita em setembro. Mas a demora para liberar a desmontagem do carnaval de 2019 e as incertezas da pandemia embolaram o cronograma – que, como plano A, prevê o carnaval na data original, o fim de fevereiro.

“Para cumprir o projeto que a gente apresentou a gente precisa trabalhar todo dia até dez horas da noite, onze horas e não tem jeito, trabalhando sábado, domingo, feriado, sem folga. É um ano excepcional, um ano fora da curva, mas é o que a gente precisa fazer para mostrar o grande carnaval que a Vila Isabel tem desenhado”, afirma o diretor de barracão Moisés Carvalho.

As escolas ainda não receberam a verba da prefeitura para custear os investimentos na estrutura do carnaval. Questionada pela CNN, a administração do prefeito Eduardo Paes (PSD) se limitou a dizer que “mais detalhes sobre esse assunto serão divulgados em momento oportuno”.

Eles se recusaram a dar entrevistas porque avaliaram que isso poderia soar como um sinal de que o tradicional desfile das escolas de samba vai ser mantido em fevereiro, na data original. Mas até agora a confirmação oficial não veio. Apesar disso, para a Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (Liesa), há grandes chances disso.

“Olha, eu diria que 90% de chances, talvez até mais, de ele acontecer em fevereiro. Digo isso com base nas conversas que a gente teve, várias conversas com o poder público, tanto na esfera federal, quanto na esfera estadual e municipal, é uma crença geral de que a gente vai ter um número grande da população vacinada em fevereiro, então já poderia acontecer nos moldes normais. A não ser que a gente tenha uma surpresa gigantesca de uma nova pandemia, o que seria algo desastroso pra humanidade, então a gente acredita muito no carnaval em fevereiro de 2022”, disse à CNN o diretor de marketing da Liesa, Gabriel David.

Ingressos esgotando

A cada lote disponibilizado para venda, os ingressos esgotam no mesmo dia. O valor do bilhete varia de R$ 85 pela meia entrada para arquibancada a R$ 96 mil pagos por um camarote de 30 lugares. A boa procura aumenta a confiança dos organizadores da festa.

Por outro lado, a venda de ingressos é a principal renda das escolas, que contam ainda com valores repassados do governo do estado por meio de programas de cultura e assistência social e autorização para captar patrocínio com base em renúncia fiscal.

Entre valores que são pagos diretamente às agremiações e cota de ICMS autorizada para que os patrocinadores repassem diretamente às escolas, o Carnaval de 2022 deve superar R$ 20 milhões. Isso é o que estimou à CNN a secretária estadual de Cultura e Economia Criativa, Danielle Barros.

Mais Recentes da CNN