Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    São Paulo tem três regiões na mira para regras mais duras

    Governo vê aumento de casos nas regiões de Taubaté, São José do Rio Preto e Registro

    Tainá Falcão, da CNN, em São Paulo

     

     

    As regiões de Taubaté, São José do Rio Preto e Registro estão na mira do governo de São Paulo para um retrocesso para fase laranja ou vermelha do plano de retomada das atividades econômicas do estado. A informação foi confirmada à reportagem da CNN pelo secretário de Desenvolvimento Regional, Marcos Vinholi. 

    A oficialização era esperada para esta quinta-feira (7), mas o anúncio foi adiado para a sexta. “Na média, tivemos um leve aumento de casos, internações e óbitos nas três regiões do Vale do Paraíba, São José do Rio Preto e Vale do Ribeira”, explicou Vinholi.

    Leia e assista também

    Após dois adiamentos, SP confirma apresentação de dados da Coronavac na quinta

    Comissão Europeia autoriza uso vacina da Moderna contra o novo coronavírus

    Após Índia, governo agora tenta acelerar importação de insumos com a China

    Os números ainda estão sendo fechados. Mas segundo secretário, São José do Rio Preto é a região com mais chance de retroceder. 

    O estado de São Paulo está na fase amarela do plano, com exceção de Presidente Prudente, na fase vermelha, a mais restritiva e que permite apenas funcionamento de serviços essenciais. 

    O prefeito da cidade chegou a desobedecer as orientações do centro de contingência do estado, mas foi acionado pela justiça e teve que voltar atrás. 

    Fim da fila

    Em reunião virtual nesta quarta-feira (6) com os novos prefeitos de SP, Vinholi deixou claro que a propriedade do governo para apoiar programas será para quem acatar as decisões do governo durante a pandemia. 

    “Nós vamos priorizar aqueles que seguem o plano SP nos nossos atendimentos. Se não tiverem cumprindo as regras, notificamos, encaminhamos ao MP, que pode entrar com ação de improbidade administrativa”, afirmou. 

    Em entrevista, o secretário explicou que isso também implica apoio do governo a eventuais programas municipais.