Sem concluir investigações, CPI das Fake News deve encerrar os trabalhos

CNN conversou com deputados e senadores que fazem parte do grupo e, na avalição deles, não há tempo suficiente para concluir os trabalhos

Leandro Resendeda CNN

Rio de Janeiro

Ouvir notícia

Faltando pouco menos de cinco meses para as eleições e com o Congresso Nacional cada vez mais focado em discutir o pleito, não há mais clima para a continuação dos trabalhos da CPMI das Fake News, iniciada em 2019 e paralisada desde março de 2020.

A CNN conversou com deputados e senadores que fazem parte do grupo e, na avalição deles não há tempo suficiente para concluir os trabalhos e consideram que houve perda do principal objeto de investigação da Comissão.

Como a legislatura vai mudar ano que vem, os trabalhos do grupo não poderão continuar em 2023 e a previsão é que a CPI seja encerrada antes das eleições de 2022.

A relatora da CPI, deputada Lídice da Mata (PSB-BA), afirmou à CNN que já tem um esboço do relatório pronto e que espera ser chamada pelo presidente da Comissão para encaminhar o encerramento dos trabalhos. Para ela, o grupo ainda tem investigações a tocar e, embora, ao que tudo indica, sendo encerrada sem concluir o plano inicial, não pode ser considerada um fracasso.

“Conseguimos pautar a discussão sobre fake news, abrimos uma caixa de pandora, subsidiamos o debate sobre o projeto 2630”, afirmou ela em referência ao projeto de lei das Fake News, em discussão na Câmara dos Deputados.

A CPMI entrou em funcionamento em setembro de 2019 para investigar disparos em massa de informações falsas nas eleições de 2018 e o uso das redes sociais para ataques orquestrados contra agentes públicos e instituições.

Após o término da CPI da Covid, no Senado, no ano passado, o clima era de voltar as investigações em 2022 e focar no pleito deste ano, para, por exemplo, discutir o anonimato nas redes sociais.

Mas, segundo o presidente da CPMI, senador Ângelo Coronel (PSD-BA), faltou ambiente político.

Para o senador, a comissão “esfriou” após o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidir, em outubro de 2021, arquivar ações que acusavam a chapa do presidente Jair Bolsonaro (PL) de impulsionar ilegalmente mensagens em massa via WhatsApp durante a campanha eleitoral.

“Uma das premissas maiores da CPMI era investigar o que houve em 2018. Mas o TSE entendeu que não houve nada e arquivou as ações”, disse Coronel, que defende que a CPMI se reúna uma última vez para decidir uma data para discussão de um relatório sobre o que fora feito até a parada provocada pela pandemia da Covi -19, em 2020.

Não há data marcada ainda para que a CPMI se reúna e discuta uma forma de encerrar seus trabalhos.

Conforme a CNN noticiou em fevereiro, em relatório enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF), a Polícia Federal identificou a existência de uma milícia digital que age contra as instituições e a democracia.

Mais Recentes da CNN