Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Eleições 2022

    Bolsonaro repudia “ação armada” de Roberto Jefferson contra a PF e falas sobre ministra

    Polícia Federal diz que ex-deputado resistiu à prisão durante ação neste domingo; dois policiais ficaram feridos

    Ex-presidente Nacional do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), Roberto Jefferson, em 2017
    Ex-presidente Nacional do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), Roberto Jefferson, em 2017 Valter Campanato/Agência Brasil

    Da CNN

    O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou neste domingo (23) que repudia o que chamou de “ação armada” de Roberto Jefferson contra agentes da Polícia Federal e também as falas do ex-deputado contra a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia. Ele também disse repudiar a “existência de inquéritos sem nenhum respaldo na Constituição e sem a atuação do MP [Ministério Público]”.

    O presidente afirmou, ainda, ter enviado o ministro da Justiça, Anderson Torres, ao Rio de Janeiro para acompanhar o episódio, que o presidente chamou de “lamentável”.

    “Repudio as falas do Sr. Roberto Jefferson contra a Ministra Carmen Lúcia e sua ação armada contra agentes da PF, bem como a existência de inquéritos sem nenhum respaldo na Constituição e sem a atuação do MP”, escreveu Bolsonaro.

    “Determinei a ida do Ministro da Justiça ao Rio de Janeiro para acompanhar o andamento deste lamentável episódio.”

    Na sequência, Bolsonaro apareceu em uma live, em que leu novamente a nota publicada no Twitter.

    No início da noite, Bolsonaro publicou um vídeo em suas redes sociais no qual comentou a ocorrência deste domingo e chamou Jefferson de “criminoso”.

    O ex-deputado federal Roberto Jefferson teria disparado contra policiais federais que foram até sua casa, no interior do Rio de Janeiro, neste domingo (23), na tentativa de prendê-lo.

    A PF confirmou que ele “reagiu à abordagem” quando a equipe preparava para entrar em sua casa e disse que dois policiais “foram atingidos por estilhaços, mas passam bem”.

    Uma das medidas que ele deveria cumprir na prisão domiciliar é não participar de redes sociais. Nos últimos dias, surgiu um vídeo em que o ex-deputado profere ofensas de baixo calão contra a ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), ao reclamar de decisão tomada por ela.

    O próprio ex-deputado filmou o carro da Polícia Federal em frente à sua cara e enviou vídeos onde contou como foi a abordagem dos policiais. Ele afirma que atirou na direção deles.

    *Publicado por Marcelo Freire