Câmara aprova projeto que autoriza deputados federais a trabalharem de casa

Parlamentares também aprovaram projeto que proíbe a exportação de produtos médicos, hospitalares e de higiene, que ainda precisará passar pelo Senado

Salão verde da Câmara dos Deputados tem movimento esvaziado diante de pandemia do novo coronavírus
Salão verde da Câmara dos Deputados tem movimento esvaziado diante de pandemia do novo coronavírus Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Larissa Rodrigues

Da CNN Brasil, em Brasília

Ouvir notícia

A Câmara dos Deputados aprovou o projeto de resolução da Mesa Diretora que institui um sistema de trabalho remoto na Casa. O Sistema de Deliberação Remota (SDR) será uma plataforma digital que servirá para discussão e votação de matérias sujeitas à apreciação do plenário da casa.

A votação começou por volta das 18h40. O objetivo da medida é evitar a necessidade de grande presença de parlamentares em plenário para as votações, diminuindo o risco de propagação do novo coronavírus. Mais cedo, o Senado Federal já havia anunciado um ato da Comissão Diretora da Casa, também autorizando seus parlamentares a trabalharem de remotamente.

O novo SDR poderá ser instalado em smartphones ou computadores. A expectativa é que a plataforma fique pronta na semana que vem. O sistema de votação precisará ser acionado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e as sessões serão transmitidas nos canais institucionais da Casa.

Projetos contra coronavírus

Após a criação do SDR, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou outros dois projetos de lei. Um proíbe a exportação de produtos médicos, hospitalares e de higiene, que, segundo o texto, são essenciais ao combate coronavírus no Brasil. A matéria será analisada ainda pelo Senado.

Foi votado também o projeto de lei que autoriza gestores a utilizarem saldos de ações em saúde para o combate à pandemia de coronavírus. A proposta foi elaborada pela deputada Carmen Zanotto (Cidadania-SC) e defendida pela comissão externa de parlamentares que estudam medidas contra o novo coronavírus. 

Mais Recentes da CNN